Terrorismo. PJ detém suspeito de apoiar jihadistas portugueses

O detido é Rómulo Costa, irmão de dois jihadistas portugueses mortos na Síria, suspeito de ter apoiado a chamada célula de Leyton. Face às provas apresentadas pelas autoridades, o juiz de instrução ordenou a sua prisão preventiva.

A PJ deteve Rómulo Costa, português suspeito de ter dado apoio logístico, a partir de Inglaterra, ao grupo de seis suspeitos jihadistas portugueses conhecido como célula de Leyton, alvo de inquéritos-crime do Ministério Público (MP). A operação, em território nacional, foi feita pela Unidade Nacional de Combate ao Terrorismo (UNCT) da PJ, no âmbito da investigação titulada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Segundo um comunicado conjunto da PJ e da Procuradoria-Geral da República, "em sede de investigação criminal que versa sobre crimes de terrorismo, nomeadamente no que concerne à participação de cidadãos nacionais nas fileiras do Estado Islâmico, foi desenvolvida uma ação policial para efetuar a detenção de indivíduo suspeito de ter prestado apoio a combatentes daquela organização terrorista".

A ação policial ocorreu na madrugada de 16 de junho e foi feita uma busca domiciliária à residência onde o suspeito se encontrava.

O comunicado adianta ainda que "o cidadão ora arguido está radicado no Reino Unido há vários anos, sendo a partir de lá que desenvolveu diversas atividades em prol do Estado Islâmico, nomeadamente como apoio e facilitador ao movimento de outros nacionais para os territórios do Iraque e do norte da Síria".

É sublinhado que a investigação, que ainda prossegue, "circunscreve-se essencialmente aos residentes em território nacional dada a relevância processual penal em termos de competências, sendo os casos dos outros nacionais da diáspora tratados diferentemente e em sede própria".

Rómulo Costa foi presente para interrogatório judicial nesta segunda-feira, dia 17, tendo sido decretada a medida de coação de prisão preventiva.

Irmãos Costa em destaque no Daesh

A célula de Leyton integrava os irmãos Celso e Edgar Costa [irmãos de Rómulo], bem como Sadjo Turé, Fábio Poças, Sandro Monteiro e Nero Saraiva. Dos seis, apenas deste último há informações de que estará ainda vivo, embora tenha ficado gravemente ferido em Baghouz, o último reduto do Daesh, num ataque das forças aliadas.

Os jihadistas portugueses têm em comum o terem partido da zona de Sintra para Inglaterra - Leyton -, onde vieram a radicalizar-se.

De acordo com investigações da revista Sábado e do jornal Expresso, os irmãos Costa, conhecidos em Raqqa pelo seu nome de guerra, Abu Issa al-Andalus (Celso) e Abu Zacarias Andalus (Edgar), eram considerados peças "influentes" na hierarquia da organização terrorista.

Edgar e Celso mudaram-se para Londres no início de 2000. Ter-se-ão convertido em 2006.

Em 2008 terão viajado para Marrocos, onde terão vivido cerca de seis meses. Foram visitando a família em Sintra a regressavam sempre a Leyton, onde geriam uma rede de recrutamentos de jovens muçulmanos estrangeiros que queriam entrar nas fileiras do ISIS. Chegaram a viver em Portugal, com as mulheres e os filhos recém-nascidos, e acabaram por partir para a Síria em 2013 para combater pelo autodenominado Estado Islâmico.

Edgar ganhou experiência militar em África, onde se juntou a uma milícia do grupo radical Al-Shabaab na Somália e na Tanzânia.

Em março de 2014, Celso surgiu no YouTube a apelar aos muçulmanos de todo o mundo para se alistarem no exército fundamentalista que combate o regime sírio. Terá viajado para a Síria acompanhado da noiva, uma muçulmana de origem asiática e passaporte britânico. Surgiu no último verão em três fotos abraçado a Fábio Poças e ao rapper alemão Deso Dogg, homem-forte da propaganda do EI.

Em setembro do ano passado foram dados como mortos. As suas quatro mulheres e os filhos, que estarão retidos num campo de refugiados controlado pelos curdos, são do grupo de familiares de jihadistas portugueses que pediram para voltar a Portugal.

As autoridades estão a avaliar os riscos, tal como outros países a braços com situações idênticas, mas ainda não definiram uma estratégia.

Estado Islâmico muda de estratégia

Chegou a ter 40 mil combatentes e controlou grande parte do território da Síria e do Iraque. O reinado de terror do Estado Islâmico, que se aproveitou da onda de indignação que varreu o norte de África e o Médio Oriente na chamada Primavera Árabe, a partir de 2011, começou a ser combatido por uma aliança internacional três anos depois, quando o líder da organização Abu Bakr al-Baghdadi proclamou um califado. Na Europa foram responsáveis ou inspiraram atentados, em Paris, Bruxelas, Nice, Barcelona, Manchester, ou Berlim, entre outros.

Norte-americanos, franceses, britânicos, entre outros países ocidentais, mas também a Jordânia ou Marrocos, por exemplo, iniciaram uma ofensiva aérea contra o EI e grupos afiliados. A partir de 2015 o envolvimento militar russo, não só segura o presidente sírio Bashar al-Assad, mas também recupera território. A isto junta-se o papel essencial das milícias curdas, mas também iranianas e dos libaneses do Hezbollah no terreno.

Perante as derrotas sucessivas -- perderam o último bastião de território em março --, os combatentes do Estado Islâmico mudaram de estratégia. O jornal online do Estado Islâmico al-Naba incentivou os seguidores a adotar táticas de guerrilha e publicou instruções sobre como realizar operações de atropelamento e fuga. Embora o EI já tenha tentado essa abordagem antes, as diretrizes deixam claro que o grupo está a adotá-las como procedimento operacional padrão.

Prova de que o EI está em transformação foi a declaração do estabelecimento da "província da África Central" do autodenominado califado, em abril, e da "província da Índia", no mês seguinte.

E nos últimos meses registaram-se ataques em vários países, da Líbia ao Afeganistão, da RD Congo ao Egito, do Paquistão à Chechénia, do Níger ao Sri Lanka. Neste último país, os ataques às igrejas no Domingo de Páscoa, que causaram 250 mortos, foram reivindicados pelo Estado Islâmico.

"A triste realidade é que o EI ainda é muito perigoso. Tem as ferramentas e fundações necessárias para construir insurreições em todo o mundo", disse Rita Katz, diretora executiva do SITE Intelligence Group, à Reuters.

* com César Avó

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?