Premium Casa Pia fez a festa. Mas há "1%" de probabilidade não ir à II Liga

Clube de Pina Manique assegurou a promoção ao segundo escalão após bater o Praiense no playoff, mas presidente diz que "não se pode comer lagostim não havendo dinheiro".

"Primeiro é alegria. Segundo é preocupação." É este o significado que o presidente do Casa Pia, Victor Seabra Franco, atribui à promoção à II Liga, assegurada neste domingo nos Açores na segunda mão do playoff com o Praiense, após vitória por 1-0 em casa e derrota por 1-2 fora.

Primeiro vem a alegria porque é um marco na história do clube, que no próximo ano vai chegar ao estatuto de centenário e que tem na participação de 1938-39 na I Divisão o ponto alto da sua existência. E no segundo escalão já não estava desde 1966, quando a II Divisão era composta por duas zonas, Norte e Sul. "Acho que podemos equivaler este feito como um marco na história do clube", frisou o líder casapiano, no cargo desde 2006.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.