Impostos estão a impedir recuperação das vendas de cerveja

Cervejeiros de Portugal exigem o congelamento do imposto aplicada à cerveja no Orçamento do Estado para 2019. Dizem que atingiu "pico máximo" e que é "incomportável" que continue a aumentar

O consumo de cerveja em Portugal cresceu 8% no ano passado, mas está ainda 14% abaixo dos valores pré-crise. Para os Cervejeiros de Portugal, a explicação reside no agravamento fiscal a que a cerveja tem sido sujeita. É que apesar de as vendas estarem 14% abaixo das de 2008, as receitas fiscais que o Estado arrecadou com os impostos especiais sobre o consumo (IEC) foram equivalentes. "A fiscalidade dentro do setor atingiu o pico máximo, é incomportável que possa continuar a aumentar. O setor não aceita menos do que o congelamento do IABA [imposto sobre o álcool e as bebidas alcoólicas] no Orçamento do Estado para o próximo ano", diz o secretário-geral da associação, Francisco Gírio.

Para este responsável, a fiscalidade é o fator que está a impedir a recuperação completa das vendas de cerveja. Até porque, lembra, "a bolsa das famílias também ainda não regressou aos níveis pré-crise". E, claro, há ainda a questão da justiça fiscal em relação ao vinho, cujo IEC se mantém em zero. "Não podemos continuar a agravar a injustiça fiscal entre dois produtos que são muito importantes para a economia, para o crescimento e para o emprego, sendo certo que ambos têm dimensão equivalente", sublinha. Francisco Gírio lembra que a cerveja assegura mais de 82 mil postos de trabalho, diretos e indiretos, além de ser fundamental para a produção agrícola nacional: no ano passado, o setor comprou quase 43 mil toneladas de cevada em Portugal e mais de seis toneladas de lúpulo. E só não compra mais porque não há.

E há ainda a questão internacional a ter em conta. "Este é um setor exportador que compete nos mercados externos com outras empresas, designadamente espanholas, que pagam metade dos impostos que as nossas pagam. O que significa que, na competição externa, as empresas espanholas têm muito mais tesouraria e muito mais cash flow para conseguirem melhores resultados", frisa. Um produtor de cerveja espanhol paga 9,96 euros por hectolitro de IABA. O português paga 20,86 euros por hectolitro. Em 2005, o IABA para a cerveja em Portugal era de 14 euros por hectolitro, em Espanha eram os mesmos 9,96 euros. "Nunca um governo espanhol aumentou os impostos especiais sobre o consumo à cerveja! E esta começa a ser uma diferença enorme quando estamos a concorrer nos mercados externos", defende Francisco Gírio, que lamenta que o setor cervejeiro "seja o único, da fileira de valor nacional, com um aumento contínuo de impostos", apesar de contribuir com mais de mil milhões de euros anuais para a economia nacional.

Francisco Gírio falou ao Dinheiro Vivo à margem do Fórum Europeu de Cervejeiros, que reuniu mais de 900 participantes de 30 países em Bruxelas. Foi a primeira vez que este fórum decorreu na Europa e Portugal fez-se representar por 50 elementos de dez empresas associadas dos Cervejeiros de Portugal. Os mercados, a inovação, a harmonização das cervejas com a gastronomia, as mudanças nas necessidades do cliente e da sociedade foram algumas das outras temáticas em análise. Bem como o fenómeno dos microcervejeiros e os seus desafios: "O mercado cervejeiro mudou em todo o mundo. As cervejas artesanais vieram para ficar, e ainda bem, porque introduziram uma nova sofisticação no mercado, permitindo que os consumidores conheçam hoje novos aromas e novos estilos de cerveja", sublinha.

"Paixão só por si não chega"

No entanto, Fernando Gírio admite que este é um processo complexo. "Nos últimos sete ou oito anos assiste-se a um fenómeno de surgimento de microcervejeiras - o small is beautiful - em que a prioridade é a paixão pela criação de cervejas com aromas únicos e não tanto a rentabilidade do negócio em si. Mas à medida que vão alargando a sua base de clientes, segue-se a fase seguinte, e a tendência é que queiram ser maiores, rentabilizando o negócio, mas mantendo o seu cariz artesanal", explica o secretário-geral dos Cervejeiros de Portugal. A questão é que "a paixão só por si não chega" e as soluções para o crescimento e desenvolvimento "têm de ser empresariais e de negócio".

A cooperação é uma das soluções, quer entre microcervejeiros quer entre micro e grandes empresas, e não faltam exemplos. Veja-se o caso da Hoppy House Brewing, a unidade da Central de Cervejas destinada ao negócio artesanal, que se associou à coimbrã Praxis, para relançar a Topázio e a Onyx, e à Post Scriptum, da Trofa, para criar a Loba. Já para não falar da aquisição da Sovina pelo Esporão, um negócio "impensável há uns anos", diz.

"A cooperação entre empresas é uma forma de crescerem no mercado alargando a base de conhecimento, profissionalizando-se e aumentando a qualidade do seu produto", acrescenta.

Fidelizar o consumidor é sempre fundamental, mas a grande questão, no mundo cervejeiro, é como. "À medida que o consumidor se sofistica e adquire maiores conhecimentos sobre a cultura cervejeira, como evoluem as suas necessidades? Com cem produtores a fazer IPA (india pale ale), um estilo de cerveja muito apreciado, com um alto teor alcoólico e um amargor clássico conferido pelo lúpulo, ou red ale, um estilo de cerveja maltada e encorpada, será que no futuro o consumidor chega a um bar e pede uma marca específica ou, simplesmente, o tipo de cerveja que quer beber? Como devem os produtores rotular a sua cerveja? Não é uma pergunta de fácil resposta", admite Francisco Gírio.

Se o futuro não é fácil de adivinhar, há tendências que se pode já apontar. Como a da crescente procura das cervejas sem glúten ou sem álcool. "Com os avanços da tecnologia, as cervejas sem álcool já têm hoje o sabor e a frescura que se espera de uma cerveja com álcool e com uma infinidade de estilos", garante. "A partir do momento que os produtores perceberam que a cerveja sem álcool não canibaliza o mercado da cerveja com álcool, passaram a apostar neste produto. É uma das tendências de futuro mais previsíveis de antecipar. Basta ver que na Alemanha o consumo deste tipo de cerveja duplica a cada ano", conclui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.