Premium

Leopoldo López

Leopoldo López. Mentor de Guaidó ainda não desistiu de ser o presidente da Venezuela

Faz nesta segunda-feira cinco anos que Leopoldo López, mentor de Juan Guaidó, foi preso. Está em prisão domiciliária, mas mantém contacto com opositores, garante a mulher. Se houver eleições, é provável que seja o candidato do partido Vontade Popular. Mas, e se Guaidó tomar o gosto ao poder?

Juan Guaidó chegou, viu e ainda está para se ver se venceu. A sua ascensão foi meteórica. Até Nicolás Maduro parece não ter contado com ela. O engenheiro, de 35 anos, tornou-se presidente da Assembleia Nacional da Venezuela a 5 de janeiro e, 18 dias depois, declarou-se presidente interino do país latino-americano em que vivem cerca de 300 mil portugueses e lusodescendentes.

Apoiado pelos Estados Unidos, por países latino-americanos como Colômbia, Brasil ou Argentina, por países da União Europeia como Espanha, Portugal, Reino Unido e França e por instituições como o Parlamento Europeu, Guiadó exige a saída do poder de Maduro, um processo de transição através da realização de eleições livres e democráticas. Isto porque, segundo a oposição, os resultados das eleições que levaram à tomada de posse de Nicolás Maduro a 10 de janeiro, permitindo-lhe renovar o mandato de presidente, são fraudulentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?