Europeu de futsal. Prata para mulheres de ouro

Portugal foi vice-campeão no primeiro Europeu de futsal feminino. A Espanha, desta vez, levou a melhor. Mas estas mulheres estão talhadas para a glória.

A Espanha é a primeira campeã europeia de futsal feminino, levando a palma na 1.ª edição da competição organizada por Portugal em Gondomar. Batendo (4-0, na final de domingo), mas não abatendo um grupo de mulheres de filigrana. As portuguesas. "Estarem a falar tanto do futsal feminino só pode ser uma boa notícia. Significa que o longo caminho percorrido até aqui, com muitas dificuldades, valeu a pena", conta ao DN Mara Vieira, uma das pioneiras lusas em provas internacionais.

Em 2010, foram escolhidas as equipas com melhores rendimento e desempenhos do mundo e organizou-se o primeiro Mundial oficioso - de facto, é o Torneio Mundial de futsal feminino. Em Espanha, a atual treinadora de futebol de 11 do Valadares Gaia (I Liga) e das seleções da Associação de Futebol do Porto estava no lote das eleitas por Jorge Braz, que acumulava as seleções masculina e feminina e foi um dos grandes impulsionadores da modalidade.

Portugal, logo aí, foi prata mundial, perdendo para a imbatível canarinha. O Brasil ganhou as seis finais do torneio: três a Portugal (2010, em Espanha; 2012, em Portugal; e 2014, na Costa Rica), duas a Espanha (2011, no Brasil; e 2013, em Espanha) e uma à Rússia (2015, Guatemala). Portugal terminou no último lugar do pódio em 2011 e em 4.º lugar em 2013 e 2015.

Era um sinal dos tempos de mudança, essa participação na prova cuja final se realizou em Alcobendas. O futsal sempre foi a forma mais fácil de as mulheres se recrearem com uma bola em Portugal, devido à falta de campos para jogos mais esticados, como o futebol de 11. "Havia poucos clubes de futebol e por isso o futsal tinha mais praticantes. Lembro-me de que na altura [há uma década] se dizia que o rácio era de 3000 jogadoras de futsal para 1500 de futebol", conta Mara Vieira, que jogou 17 anos nas quadras, antes de enveredar pela academia, formando-se em Ciências do Desporto e passando a ser uma das delfins do mundialmente admirado Vítor Frade.

O metodólogo e professor universitário jubilado foi o grande propulsor da introdução da "periodização tática", conceito que está, aliás, patenteado intelectualmente e só pode ser utilizado com permissão de um grupo de guardiões eleitos pelo ex-colaborador do FC Porto - Mara Vieira é um deles. O mesmo Vítor Frade que permitiu a modernização dos treinadores de futebol, com expressão máxima em José Mourinho e um séquito de seguidores no mundo todo.

O ouro conseguido pela seleção sub-18 nas Olimpíadas (Jogos Olímpicos jovens), em outubro na Argentina, pontuou o alto nível a que chegou o futsal feminino, num ano em que a seleção masculina se sagrou campeã europeia na Croácia.

Subir a montanha

"A Federação [Portuguesa de Futebol, FPF] tem feito um trabalho notável, mas é preciso salientar que em Portugal todas as atletas trabalham e só treinam ao final do dia. Ainda há muitas dificuldades para conciliar a vida pessoal e o futsal", contextualiza Mara Vieira, que começou como treinadora na formação do Módicus (na verdade, criando a formação no emblemático clube de futsal sediado em Sandim, Vila Nova de Gaia).

E o trabalho da FPF é verdadeiramente palpável. Se em 2010 Jorge Braz e Pedro Dias, o senhor futsal (e futebol de praia), recuperaram a seleção, que se estreou a 13 de outubro de 1997 num particular com a Austrália, goleada pelas lusas 8-1 no Pavilhão da Ajuda, em Lisboa, com Carlos Silva como selecionador, mas desativada desde 2004, daí para cá o futsal feminino criou raízes.

Em 2013, já com a equipa de Fernando Gomes na direção, concluíram-se os planos de desenvolvimento da modalidade (e do futebol de praia). Em cerca de cinco anos, o futsal feminino não só tem a seleção consolidada como ainda tem outras três em competição (sub-17, sub-18, sub-19). E agora há cinco competições nacionais de clubes.

E as condições nos últimos 20 anos têm surgido, com os pavilhões a adornarem a face das cidades e vilas como cogumelos. Este expediente autárquico, aliado à estratégia e investimento da FPF, permitiu que haja 32 389 praticantes federados de futsal: 28 312 masculinos e 4077 femininos (segundo dados do Boletim Estatístico da FPF de 30 junho de 2018). Espanha, só na formação (e são dados de 2017 da Real Federação Espanhola de Futebol), tem 9275 mulheres a jogar futsal. Mais 4573 seniores. Contra a onda de crescimento dos praticantes que tem sido lei no futebol e no futsal, as seniores no futsal decaíram 10,4%, de 2442 (2016-2017) para 2188 (2017-2018).

"O esforço das atletas continua a ser enorme, apesar da grande evolução e das condições criadas pela federação", diz Mara Vieira. "Estas atletas que estão no Europeu, com duas exceções, vivem de ajudas de custo para poderem ir treinar e dedicarem-se como profissionais após uma jornada de trabalho", relembra a treinadora. As exceções são as profissionais: Jenny, de 26 anos, joga no Burela Pescados, de Espanha, e Taninha, 25 anos, joga na Lazio, em Itália.

"Dia de jogo! Momento adequado para homenagear com uma vitória as pessoas que estiveram na génese da seleção nacional feminina de futsal. Foi a 13 de outubro de 1997, em Lisboa, no pavilhão da Ajuda, que a seleção feminina de futsal de Portugal disputou o primeiro jogo, iniciando um longo percurso que conta com 'apenas' 88 jogos internacionais disputados. Para memória futura, fica o registo das 12 pioneiras lideradas pelo treinador Carlos Silva: Sofia Grave, Tânia Pinto, Sílvia Valoroso, Ana Costa, Ana Isabel Costa (Anita), Ana Margarida Guerreiro (Guida), Cláudia Silveira, Cláudia Diogo, Ana Pimentel (Pima), Ana Caetano, Catarina Câncels, Daniela Silva (Tuxa)", lembrou na manhã de sexta-feira o diretor da federação, Pedro Dias. Entretanto, a seleção atingiu os 90 jogos, ganhou mais um (5-1 à Ucrânia nas meias-finais desse dia) e arrecadou uma medalha de prata no domingo.

Uma prata garantida por mulheres de ouro, que também no futsal têm de se desmultiplicar em vários papéis: mulheres, mães, cônjuges, profissionais e ainda jogadores de futsal de elite internacional.

E que só podem deixar a FPF, o futsal e o selecionador Luís Conceição orgulhosos. E com esperanças bem fundamentadas de que o melhor ainda está para vir. "No futuro, de certeza que vamos continuar a estar nestes grandes jogos e as coisas vão cair para o nosso lado. Não foi por termos perdido que se vai colocar em causa todo o trabalho e percurso que fizemos", referiu no final o selecionador nacional, queixando-se de falta de sorte: "Não fomos felizes. Temos de ser competentes naquilo que fazemos, mas também precisamos de ter aquela ponta de sorte. O resultado é um pouco desnivelado para a qualidade das seleções e pelo que foi demonstrado, mas há dias assim. Cada jogo tem uma história e hoje não fomos felizes."

Exclusivos