Costa só reverteu 35% do emprego público destruído no tempo de Passos e de Portas

No tempo do PSD-CDS, corte chegou a 23,6 mil empregos na área da educação. Com o PS, houve um reforço de apenas 6,2 mil postos de trabalho. Mas, na saúde, governo socialista mais do que compensou.

O peso do emprego público no total de empregos da economia caiu para o valor mais baixo de que há registo, revelam cálculos do DN/Dinheiro Vivo a partir dos dados oficiais do Ministério das Finanças e do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os dados mostram também que o atual governo, em funções desde finais de 2015, só reverteu um terço do número de postos de trabalho destruídos na legislatura anterior, a do governo PSD-CDS e da troika. A tutela de Pedro Passos Coelho apagou 68,7 mil empregos públicos (do final de 2011 a final de 2015); sob a liderança de António Costa, o aumento foi de 24,3 mil empregos, do começo da legislatura até final do ano passado.

No entanto, é de notar que, no final de 2018, o crescimento do emprego público ultrapassou, pela primeira vez em muitos anos, o aumento do emprego total e do emprego no setor privado.

De facto, depois de ter valido quase 16% do emprego total em 2013 (muito por causa da forte destruição de postos de trabalho que estava a acontecer devido à crise e ao programa de austeridade), o peso do emprego público baixou de forma persistente ao longo destes anos até atingir 13,6% no terceiro trimestre do ano passado.

Este é o valor mais baixo das séries que são passíveis de serem construídas com recurso aos dados da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), que remontam ao final de 2011.

No entanto, no quarto trimestre de 2018, o peso do emprego público subiu ligeiramente, mas ainda assim ficou-se pelos 13,9% do emprego total.

Na sexta-feira passada, a DGAEP revelou que existiam cerca de 683 469 empregados no setor público no último trimestre de 2018. Face ao quarto trimestre de 2017, esse valor traduz-se num aumento de 2,1%, o maior da série de seis anos. Esse reforço supera o do emprego total (que, segundo o INE, deu um aumento homólogo de 1,6%) e é por isso que o emprego público ganha peso.

Mas esta é uma exceção ao que tem sido a regra dos últimos anos. Desde meados de 2015 que o aumento do emprego público tem vindo a ganhar força, sim, mas nunca cresceu acima do ritmo do emprego total, nem acima da criação de emprego no privado.

Destruição de empregos do governo PSD-CDS não foi compensada

A compressão do emprego público que aconteceu até meados de 2015 e a sua evolução modesta desde então t êm permitido aos governos moderar a despesa pública, ajudando por exemplo a baixar o défice, hoje em mínimos históricos.

Ao mesmo tempo, os sindicatos da função pública denunciam que esta prática está a condicionar ou até a paralisar alguns serviços públicos, com especial destaque para a saúde e a educação.

Eugénio Rosa, economista da CGTP, também fez contas e concluiu que "entre 2011 e 2015, com o governo PSD-CDS, se registou uma redução muito significativa do número de trabalhadores das administrações públicas (-68 682), sendo as categorias mais atingidas pela redução a dos assistentes técnicos e assistentes profissionais (-33 716) e a dos professores (-22 845), o que causou a degradação dos serviços públicos ainda sentida atualmente pelos portugueses, até porque só foi em parte revertida".

No final de 2018, o crescimento do emprego público ultrapassou, pela primeira vez em muitos anos, o aumento do emprego total e do emprego no setor privado.

No entanto, durante o governo de António Costa (desde final de 2015), "o número de trabalhadores aumentou em 24 366, ou seja, apenas 35,4% da redução feita pelo governo PSD-CDS". "Costa apenas compensou um terço da destruição do PSD-CDS", conclui o economista.

Uma das áreas mais sacrificadas parece ser, efetivamente, a da educação (estabelecimentos de educação e ensino básico e secundário). Cálculos do DN/DV indicam que no tempo do PSD-CDS se reduziram 23,6 mil empregos escolares (professores, pessoal auxiliar, etc.). Com o PS, houve um reforço de apenas 6,2 mil postos de trabalho. Dá uma reposição de 26% no que vai desta legislatura.

No universo dos "hospitais, centros hospitalares e unidades locais de saúde do tipo E.P.E.", o balanço é bem diferente. No tempo do PSD-CDS, houve uma redução de 933 empregos. Com Costa no comando, houve um aumento de 7,7 mil postos de trabalho no SNS.

Assim, a reversão do corte no número de funcionários públicos é "claramente insuficiente para as necessidades", insiste Eugénio Rosa.

Centeno responde com "mais médicos e enfermeiros"

Mário Centeno, o ministro das Finanças, diz que não é bem assim. Defende que é possível fazer mais e melhor com menos pessoas em várias áreas da governação, otimizando a gestão dos serviços e cortando gorduras e duplicações. Mas garante que até está a reforçar pessoal em setores mais críticos como a saúde e a educação.

O gabinete do ministro diz que em 2018 "a despesa com salários cresceu 2,5% na administração central, em resultado do descongelamento das carreiras e da reposição do valor de outras prestações, como as horas extraordinárias", e que "o aumento das despesas com pessoal no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e nos estabelecimentos escolares representou 75% do total do aumento da despesa".

Quanto à legislatura, o ministro responde com "o investimento no SNS". O aumento, entre dezembro de 2015 e dezembro de 2018, de cerca de 8500 profissionais das diferentes áreas (+7%), entre os quais cerca de 2400 médicos e 4030 enfermeiros, e apenas um exemplo claro deste esforço.

Além disso, ainda na saúde, "as despesas com pessoal cresceram 580 milhões de euros, mais 17% do que em 2015, ultrapassando o anterior máximo de 2009. É um esforço extraordinário, com a contratação de novos profissionais e a melhoria das condições de trabalho (valorização das horas extra, horas de qualidade e redução do período normal de trabalho), que deve ser valorizado por todos os profissionais do SNS", defende Mário Centeno.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.