Descentralização, dia um. Nova lei já precisa de alterações

Governo anuncia alteração à Lei-Quadro da Transferência de Competências no dia em que o diploma entrou em vigor. PSD diz que o executivo não fez o "trabalho de casa".

A lei-quadro da descentralização entrou ontem em vigor e, ao primeiro dia, já precisa de alterações. O diploma do governo, aprovado em julho no Parlamento, determina que os municípios que não queiram assumir as novas competências já em 2019 comuniquem a decisão à Direção-Geral das Autarquias Locais até 15 de setembro próximo. Problema: os diplomas setoriais que vão definir em concreto quais as competências a transferir não estão aprovados, e há áreas - caso da educação - em que não há ainda acordo entre o executivo e a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP). Ou seja, os municípios teriam de decidir se assumem ou não novos encargos, não sabendo quais são.

Ontem, o Ministério da Administração Interna, que conduz o dossiê da descentralização, emitiu uma nota em que admite que o prazo previsto na lei que entrou ontem em vigor "terá de ser prorrogado", dado que os diplomas setoriais "não estarão, por força da necessária consensualização com a ANMP, em vigor em prazo compatível com a data inicialmente admitida de 15 de setembro de 2018". De acordo com o ministério liderado por Eduardo Cabrita, o quadro concreto das competências a transferir - e os prazos para as autarquias decidirem se avançam já com o processo - ficará definido nos diplomas setoriais e na proposta de Orçamento do Estado para 2019.

"Sempre disse que o governo tinha de dar corda aos sapatos", reage Álvaro Amaro, dirigente do PSD que negociou com o executivo o acordo firmado em abril sobre o processo de descentralização. "Mais uma vez o governo não fez atempadamente o seu trabalho de casa", critica o também presidente da Câmara Municipal da Guarda.

O ministério da Administração Interna não esclareceu até quando será prorrogado o prazo para as autarquias se pronunciarem, mas Manuel Machado, presidente da ANMP, avançou à agência Lusa que será "em princípio, até final deste ano".

Prazo de 15 de setembro também em risco

Mas há outro prazo que poderá vir a derrapar. Se 15 de setembro foi a data apontada para finalizar os 23 diplomas setoriais, abrangendo áreas como a saúde, a educação, a justiça, a habitação ou o património, o líder da ANMP e presidente da Câmara de Coimbra sublinhou ontem que dois terços dos diplomas já estão consensualizados, mas acrescentou que as negociações dos restantes poderão não estar concluídas naquele prazo. O que pode atrasar substancialmente os textos setoriais, já que alguns (dependendo da matéria em causa) terão de ser aprovados pela Assembleia da República, que a partir de meados de outubro se dedica em exclusivo à discussão do Orçamento do Estado.

Os diplomas terão ainda de passar pelo crivo do Presidente da República, que, no texto de promulgação da lei-quadro, deixou expressas várias preocupações quanto ao processo de descentralização, deixando também o aviso de que a aprovação deste diploma não implica igual conclusão perante os textos setoriais. "Só o exame cuidadoso, caso a caso, dos diplomas que venham a completar os atuais permitirá avaliar do verdadeiro alcance global do que acaba de ser aprovado. Que o mesmo é dizer, o Presidente da República aguarda, com redobrado empenho, esses outros diplomas e a decisão de hoje não determina, necessariamente, as decisões que sobre eles venham a ser tomadas", escreveu então Marcelo Rebelo de Sousa.

Outra questão que ainda está por definir em concreto é o envelope financeiro que caberá a cada município - os valores já conhecidos mereceram duras críticas de vários autarcas. No total, o montante que será transferido do Orçamento do Estado (e que sai das contas dos ministérios) para o Fundo de Financiamento da Descentralização (FFD) ascende aos 889,7 milhões de euros. Deste valor, grande parte vai para a Educação - 797 milhões. A transferência de competências na área da Saúde será acompanhada, nas previsões do governo, de um pacote financeiro de 83 milhões, o setor da habitação terá um orçamento global de 7,6 milhões de euros e a Cultura receberá 1,1 milhões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.