Premium Cristiano é uma janela de oportunidade para o futebol italiano

Diretor da revista italiana Undici escreve, para o DN, sobre a importância da chegada do melhor do mundo à Juventus.

Cristiano na Juventus significa essencialmente duas coisas: um excelente negócio para a vecchia signora e uma janela de oportunidade para o futebol italiano.

Sem dúvida que para os bianconeri Cristiano é a peça que faltava para ascender ao último degrau do reconhecimento como uma das poucas marcas globais do futebol contemporâneo. Acrescente-se o valor daquele que é talvez o melhor e seguramente o mais famoso futebolista do mundo a um clube recheado de história, um plantel de topo, um presidente e uma administração apostados na inovação e com o foco em continuar a construir um clube de topo com raízes históricas sólidas... junte-se tudo isto e temos a Juventus versão 2018-19. É mais um passo de um projeto sólido. Um passo excitante.

Para o restante universo do futebol italiano, a chegada de Cristiano Ronaldo é uma grande oportunidade, mas com uma condição: a consciência de que não há atalhos para devolver o calcio ao lugar em que ele estava nos anos 80 e 90 do século passado. A Juventus é o modelo: programar, renovar, manter um olhar atento ao que acontece no futebol a nível global e, fora de campo, construir fortes estratégias financeiras, construir novos estádios e novas infraestruturas. AS Roma, Inter e o novo AC Milan estão a começar a ir também pela direção certa.

Cristiano Ronaldo pode ser a porta de entrada do futebol italiano numa nova dimensão. Mas não há atalhos para o sucesso, ele não vai consegui-lo sozinho.

Diretor editorial Undici, revista italiana dedicada à cultura do futebol

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.