Desde o tempo da troika que não havia tantos pré-avisos de greve
Premium

trabalho

Desde o tempo da troika que não havia tantos pré-avisos de greve

Nas próximas semanas, são poucos os dias úteis que não têm pelo menos uma greve. Mantendo-se o ritmo, este será o ano da legislatura com mais pré-avisos.

Hospitais e medicina legal, correios, transportes, tribunais, trabalhadores dos impostos e até teatros. A lista de serviços que nas próximas três semanas podem paralisar com greves é grande e acabou de receber uma importante adesão, a dos oficiais de justiça, que neste fim de semana marcaram uma greve de cinco dias, a ser distribuída entre o final deste mês e o início do próximo. Mas se a última semana de junho é mesmo a mais preenchida com protestos, as paralisações começam já a meio desta semana, com problemas nos barcos que fazem as travessias do Tejo.

Nas próximas semanas, são poucos os dias úteis que não têm pelo menos um protesto já agendado. A reta final da legislatura tem sido fértil em contestação social e nem a desmarcação das greves dos professores às avaliações, que chegaram a ser anunciadas para o final do ano letivo, dos enfermeiros e dos camionistas atenuou essa vaga, que é confirmada pelas estatísticas dos primeiros meses do ano. Olhando para os números dos pré-avisos de greve - que, note-se, nem sempre se traduzem em greves efetivamente realizadas - percebemos que qualquer um dos primeiros quatro meses de 2019 superou largamente os meses homólogos dos últimos anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.