Premium Idosos portugueses são dos menos saudáveis da Europa. Porquê?

Estudo europeu revela que os idosos portugueses tem baixos níveis de saúde. O estilo de vida, a alimentação e a inatividade física podem ser alguns dos fatores que explicam estes valores.

O maior estudo europeu sobre envelhecimento concluiu que apenas 9 por cento dos idosos portugueses são considerados saudáveis. Números que se distanciam bastante do que acontece em outros países da Europa: na Áustria, 58 por cento das pessoas com mais de 70 anos são consideradas saudáveis na Áustria, enquanto na Suíça são 51 por cento. Alemanha e França apresentam taxas de 38 e 37 por cento, respetivamente, em relação à saúde dos mais velhos.

Considerando idosos saudáveis aqueles «seniores que não apresentam doenças crónicas e têm uma boa saúde física e mental», 42 por cento dos 2.157 participantes estão nesta situação, de acordo com o estudo DO-HEALTH. A realidade portuguesa mostrou-se preocupante, tal como referiu o líder do grupo de investigadores da Clínica Universitária de Reumatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), José António Pereira da Silva.

«A população idosa portuguesa - que incluía participantes com mais de 70 anos - tinha níveis de saúde inferiores aos observados nos outros 600 participantes. É um dado preliminar que deve tentar perceber-se melhor, no sentido de desenhar estratégias que possam prevenir esse efeito», começou por dizer o docente e investigador da FMUC, num vídeo publicado pela Universidade participante.

Para Manuel Carrageta, presidente da Sociedade Portuguesa de Geriatria e Gerontologia (SPGG), a explicação para os fracos resultados deste estudo é simples: «o estilo de vida dos idosos portugueses e da maioria dos países do sul da Europa». «Está relacionado com a síndrome de fragilidade, que se carateriza pela falta de atividade física depois de se reformarem. Mexem-se menos, tornando os músculos mais fracos, dando mais quedas e tornando-se menos ativos», diz, em declarações à DN Life.

Esta inatividade, explica o cardiologista, não tem só efeitos físicos, tornando os idosos portugueses também mais frágeis a nível cognitivo. «As pessoas acabam por ficar fechadas em casa e deixam de fazer a sua vida normal. Do que mais me impressiona é quando vão para os lares de idosos. São capazes de estar um dia inteiro sentados a ver televisão», alerta.

Sobre soluções, Carrageta considera que a atividade física é um dos elementos essenciais na vida dos idosos, «para que estes não se sintam dependentes», tanto em ações básicas, como a higiene pessoal, como em ir às compras ou conduzir um automóvel. A alimentação é outra das armas para combater os valores deste estudo, indica ainda.

A percentagem de idosos saudáveis, de 58% e 51% na Áustria e Suíça, respetivamente, não surpreende o presidente da SPGG, visto que são países em que as «pessoas praticam muita atividade física, melhorando a sua massa muscular, o que permite que continuem a ter uma vida plenamente ativa».

Pereira da Silva, líder do estudo na Universidade de Coimbra, afirma que, depois de reunidas as conclusões do estudo, é preciso perceber as necessidades e os estímulos que podem ser introduzidos na vida dos idosos. «O objetivo nuclear do estudo consistia em avaliar o impacto de uma suplementação de vitamina D, de ómega-3 e exercício físico, todos combinados de diversas formas, sobre uma variedade enorme de indicadores de saúde que vão desde a hipertensão até à incapacidade intelectual e à mobilidade física», acrescentou especialista em reumatologia.

O médico do Hospital da Universidade de Coimbra explicou também que «os dados recolhidos vão ser analisados de forma a determinar os efeitos das três intervenções [acima descritas] em cinco principais dimensões: risco de fratura, função muscular dos membros inferiores, função cognitiva, tensão arterial e taxa de infeções». Posteriormente, serão também definidas estratégias «que possibilitem aos mais velhos terem uma vida mais ativa e saudável».

O DO-HEALTH implicou um investimento de cerca de 200 mil euros pela Universidade de Coimbra, que através da sua equipa - constituída por três enfermeiros, quatro médicos, dois fisioterapeutas e uma farmacêutica - acompanhou 301 idosos daquela região. A amostra realizou três consultas anuais e recebeu nove contactos telefónicos trimestrais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.