Premium Idosos portugueses são dos menos saudáveis da Europa. Porquê?

Estudo europeu revela que os idosos portugueses tem baixos níveis de saúde. O estilo de vida, a alimentação e a inatividade física podem ser alguns dos fatores que explicam estes valores.

O maior estudo europeu sobre envelhecimento concluiu que apenas 9 por cento dos idosos portugueses são considerados saudáveis. Números que se distanciam bastante do que acontece em outros países da Europa: na Áustria, 58 por cento das pessoas com mais de 70 anos são consideradas saudáveis na Áustria, enquanto na Suíça são 51 por cento. Alemanha e França apresentam taxas de 38 e 37 por cento, respetivamente, em relação à saúde dos mais velhos.

Considerando idosos saudáveis aqueles «seniores que não apresentam doenças crónicas e têm uma boa saúde física e mental», 42 por cento dos 2.157 participantes estão nesta situação, de acordo com o estudo DO-HEALTH. A realidade portuguesa mostrou-se preocupante, tal como referiu o líder do grupo de investigadores da Clínica Universitária de Reumatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), José António Pereira da Silva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?