BP Portugal quer captar investimento do grupo na energia solar nacional

A petrolífera britânica está a apostar forte nas renováveis em todo o mundo e Portugal quer atrair algum desse investimento milionário.

"Gostava que a BP trouxesse para Portugal tudo o que sejam ideias inovadoras, com modelos de negócio sustentáveis", disse Pedro Oliveira, presidente da BP Portugal, em entrevista ao Dinheiro Vivo. Em cima da mesa está a possibilidade de a empresa, através da sua nova subsidiária Lightsource BP, recém-comprada por 200 milhões de euros, vir a entrar na corrida à energia solar em Portugal, já avaliada em 800 milhões de euros, com mais de 100 MW de potência instalada aprovada pelo governo.

Antes, na apresentação do relatório "BP Statistical Review of World Energy", Pedro Oliveira já tinha confirmado que "o grupo está a investir em áreas em que acredita que possam fazer a diferença na transição energética e Portugal não será uma ilha no mundo BP. Não há razão nenhuma para que não possamos vir a ter em Portugal a derivada de todos esses investimento que a BP está a fazer".

Questionado sobre se a petrolífera poderá vir a construir uma central solar em Portugal, Pedro Oliveira respondeu: "Pode ser, claro que pode ser. Uma vez os modelos estejam verdadeiramente testados e sejam sustentáveis por si, sem subsídios. Não estamos nos países para depender dos governos centrais. Atualmente já não há solar com subsídios em Portugal, mas os que foram feitos há uns anos tinham. Imagine o que era ter entrado na altura."

O investimento poderá chegar assim no espaço de "ano ou dois, quando as centrais solares forem manifestamente sustentáveis. No dia de hoje ainda não há certeza em relação a isso".

Quero que a BP venha investir e entregar valor à sociedade portuguesa com base em modelos de negócios já testados

Por seu lado, Peter Mather, vice-presidente da BP para a Europa, não confirma para já se há ou não um projeto português no pipeline da BP, mas garante que "não há nenhum país para onde não estejamos a olhar. Anunciámos recentemente que comprámos 50% da Lightsource, que já tem projetos solares em todo o mundo. O desenvolvimento em larga escala de centrais solares, onde haja níveis consistentes de sol, pode ser em qualquer sítio do mundo. Há oportunidades no Médio Oriente, na Índia e também na Europa".

Mather anunciou nesta semana, em Lisboa, que a BP vai investir 500 milhões de dólares no desenvolvimento do negócio de energias renováveis e na transição energética para fontes de energia mais limpas. E acrescentou que a empresa vai desinvestir no petróleo e apostar mais no gás natural, num rácio que deverá rondar os 40% para o petróleo e os 60% para o gás natural. Nos anos 90, o rácio era de 12% para o gás e 88% para o petróleo.

A grande aposta passa pelo crescimento do negócio das renováveis, nomeadamente no biocombustível no Brasil, na energia eólica na América Latina e também no solar, onde a empresa já investiu há vários anos mas perdeu dinheiro, disse Peter Mather. A BP volta agora ao solar com o desenvolvimento de centrais solares.

O vice-presidente para a Europa rejeita, no entanto, a necessidade de subsídios governamentais para apostar em energias renováveis. "Não vamos investir com base em subsídios. As renováveis já são competitivas por si. A BP tem um grande investimento no solar, no eólico e no biocombustível."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.