Premium Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez.

Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.

Sempre me incomodou essa pressão pública, que antecede e sucede as discussões parlamentares, até porque ela não tem paralelo na sociedade. As pessoas não têm respostas imediatas para problemas complexos. Entre o preto e o branco há paletas de cinzento onde as pessoas se posicionam sem que isso signifique que estão do lado certo ou errado, sem que isso as classifique, rotule, condicione as suas vidas sociais.

Ler mais

Exclusivos