Gonçalo Rastaartur Pinto é o melhor jogador nacional de FIFA 19 na playstation e representa o Sporting

Vida e Futuro

Para muitos é um vício. Para Rastaartur é a sua profissão de sonho

Aos 19 anos, Gonçalo Pinto é o melhor atleta individual de FIFA em Portugal. O Sporting contratou-o, tornou-o profissional e já é o 11.º de um ranking que apura 60 jogadores o play off de apuramento para o Mundial do próximo ano. Nos torneios internacionais os prémios são de milhares de euros.

Gonçalo Pinto tem 19 anos e um trabalho que na maioria das casas portuguesas dá direito a discussões entre pais e filhos: passar parte do dia a jogar PlayStation. A explicação é simples: Rastaartur é profissional de eSports. E não é um profissional qualquer. Atualmente é o 11.º melhor jogador do mundo de FIFA 19, ou seja, faz parte da elite de praticantes de jogos online na vertente de futebol. Representa o Sporting e é um ídolo para os jovens que seguem os jogos online.

E são milhares aqueles que passam horas ao computador a ver como se ganha um jogo de futebol - seja na vertente de 1x1 ou na de 11x11 - ou quais as estratégias para se vencer noutro tipo de games.

É o mundo dos desportos eletrónicos que tem milhões de adeptos que seguem em tempo real - no Facebook, no Twitter ou no Twitch - os resultados, os confrontos, as vitórias e as derrotas dos seus ídolos. É um mundo altamente profissional no qual Portugal marca cada vez mais presença como prova o facto de neste sábado ter-se realizado na Altice Arena a Blast Pro Series, uma competição que envolveu diversos tipos de jogos e na qual a empresa dinamarquesa RFRSH investiu 1,5 milhões de euros como adiantou à DN Insider.

Neste ambiente onde o real e o virtual se cruzam, Gonçalo "Rastaartur" Pinto é um dos nomes de topo. O atleta - sim, são atletas - do Sporting tem como um dos seus objetivos, além das vitórias nos torneios que garantem prémios monetários, a participação nos play off de apuramento para o Mundial do próximo ano, fase em que terão lugar os 60 melhores classificados do ranking do FIFA 19.

Voltemos então ao sonho deste jovem de 19 anos que todos os dias joga "três ou quatro horas. Depende do estado de espírito. Se me apetecer jogar muito, jogo". Para Gonçalo estar em frente a um ecrã com um comando de PlayStation na mão é "um trabalho como outro qualquer, mas claro que não deixa de ser um jogo".

Além de fazer parte do plantel do clube - "estou pelo primeiro ano no Sporting, que me deu todas as condições para ser 100% profissional" -, Gonçalo representa Portugal e a agremiação de Alvalade em competições internacionais organizadas pela empresa de jogos online EA.

Vinte mil euros num ano

Gonçalo diz que não se sente "uma estrela", mas reconhece que há muitos jovens que lhe dizem "que gostavam de conquistar o que já conquistei. Não é difícil, mas requer muito trabalho, muito treino, dedicação e esforço. Mas ainda estamos numa dimensão diferente da do futebol". A dedicação ao jogo - "que não considero um vício", frisa - levou-o a deixar de estudar depois de frequentar o primeiro ano da universidade. "Fiz o primeiro ano de Ciências da Comunicação, mas neste ano parei pois o Sporting deu-me condições para ser profissional", ou seja, paga-lhe um salário a que Rastaartur junta os prémios que vai ganhando durante a época pois todos os torneios têm verbas monetárias para os primeiros classificados. Por exemplo, no ano passado, já ao serviço do clube de Alvalade, amealhou cerca de 20 mil euros.

A grande aposta são, todavia, os torneios internacionais, pois é aqui que se consegue os prémios, que permitem ter "uma vida estável a nível pessoal e profissional", conta.

Com uma carreira de três anos, Gonçalo via os jogos no computador por streaming, depois começou a praticar e quando a Federação Portuguesa de Futebol surgiu a apostar na modalidade foi o primeiro vencedor num 1x1. Foi na época passada, ainda como individual, que ganhou dez mil euros numa competição que terminou num evento na Altice Arena (Lisboa) e com quatro mil pessoas a assistir às várias demonstrações de eSports que ali tiveram lugar.

Agora, participa em torneios onde está ao lado de alguns dos seus ídolos. "Sempre segui o Agge Rosenmeier e no fim de semana [durante o torneio em Bucareste] encontrei-me com ele e ganhei-lhe nos penáltis. Foi muito interessante. E depois há o Gorilla [Spencer "Gorilla" Ealing], que para mim é um dos melhores jogadores de sempre do FIFA. Foi a vê-lo jogar que evolui o meu jogo. Foi muito especial estar ao pé deles naquele fim de semana." E como é usar a camisola do Sporting?."Obviamente que pesa."

Divulgar a marca e ganhar a geração Z

As vitórias de Rastaartur - um cognome que não tem nenhuma explicação, garante: "Toda a gente pergunta isso, mas calhou, não foi por nada de especial." - são parte de uma estratégia onde a divulgação da marca Sporting é o ponto central. "A aposta nos eSports, no nosso caso desde julho de 2016, pode ter retorno através de merchandising, prémios, transmissões e eventos", explica ao DN Miguel Albuquerque, diretor-geral das modalidades do clube.

A opção pela entrada no mundo dos jogos online também tem como objetivo conquistar adeptos entre a chamada "geração Z [como são conhecidas as pessoas nascidas entre 1995 e 2005]. Neste caso, o retorno não é tão direto e acontece a longo prazo, mas necessário nos dias de hoje, uma vez que está comprovado que as gerações mais novas estão a afastar-se do futebol/desporto e que, mesmo que estejam presentes num estádio de futebol, não conseguem estar 90 minutos a assistir à partida sem a distração de um jogo de telemóvel, etc. Ora, consideramos que a aposta nos eSports nos ajudará também a fidelizar ainda mais este público-alvo".

Grow uP. Os craques do 11x11

Se Gonçalo Pinto é o mais conceituado jogador de FIFA no 1x1, a equipa que mais palmarés tem é a Grow uP, vencedora das taças da Liga e de Portugal na época passada, sempre com o Sporting, com quem também jogaram no playoff do campeonato.

Já com uma filial em Macau, este clube de eSports tem vários departamentos de jogos, e o FIFA é um deles. Rui Costa é o treinador de um plantel com 31 elementos - "temos uma equipa B também que joga na terceira divisão" - que treinam, cada um em sua casa, cinco vezes por semana. A presença só é obrigatória em quatro.

"No nosso caso treinamos duas horas a duas horas e meia por noite. Temos de ter tudo afinado", explica o responsável pela estratégia da Grow uP. Jogar em equipa obriga a que cada jogador saiba a sua posição no campo - é exatamente igual ao futebol de 11, com um jogador para o guarda-redes, outro para o central etc. - e o treino faz-se com todos conectados entre si.

O jogo tem 16/17 minutos no total (90 virtuais) e obriga a uma preparação profissional. "Fazemos um trabalho real de pesquisa do adversário, temos observadores das outras equipas e os jogadores quando entram em campo sabem bem o que têm de fazer", frisa Rui Costa. Profissionais ainda não são - "só o Gouvy [Gouveia], o nosso jogador de 1x1" - mas acredita que se está a caminhar nesse sentido também em Portugal. Para já o clube paga as licenças do FIFA, ajuda nas deslocações quando têm de ir torneio, o que acontece por norma nas fases finais, pois as qualificações são jogadas online cada um no seu computador em casa. "Temos um contrato por objetivos e recebemos prémios de acordo com as vitórias nas competições que depois reinvestimos no plantel", adianta o responsável por uma equipa "de amigos" cujo jogador mais novo tem 18 anos e o mais velho 38.

Federação organiza várias provas

Esta é a segunda temporada em que a Federação Portuguesa de Futebol organiza campeonatos de eSports - vertente FIFA. Gonçalo "Rastaartur" Pinto (1x1) e a Grow uP Esports (por equipas) são os líderes do ranking que está disponível na página de internet desta vertente desportiva online da federação. A federação organiza 16 competições neste âmbito [comunidade, gaming e FPF, nesta prova participam os clubes que estão representados no universo da federação, num total de cerca de 80 clubes/associações], sendo a liga portuguesa de 1x1 a novidade para esta temporada. E a temporada começa em setembro/outubro e dura até maio/junho. Quanto a prémios, no ano passado os seus torneios distribuiram mais de 40 mil euros.

Segundo Raul Faria, coordenador do departamento de eSports, praticamente todos os clubes da I Liga estão representados - Benfica e FC Porto não têm equipas - existindo 16 jogadores profissionais no país. Quanto às idades, os mais jovens preferem o 1x1: 40% têm entre 18 e 25 anos; 30% têm 25 e 35 e 30% estão nas faixas antes dos 18 e depois dos 35 anos. No caso das competições por clubes, a tendência inverte-se com 40% dos jogadores a terem entre 25 e 35 anos.

Exclusivos