O harakiri do ministro

A edição do DN de 16 de agosto de 1945 dava conta do suicídio do ministro da Guerra japonês, inconformado com a rendição frente aos Estados Unidos.

"Fez harakiri o ministro da Guerra japonês", noticiava o DN de 16 de agosto de 1945, datado de um dia depois do imperador Hirohito ter anunciado na rádio a rendição incondicional aos Estados Unidos, ponto final da Segunda Guerra Mundial. Korechika Anami, general de 58 anos, assinara a rendição, tal como os restantes membros do governo, depois das bombas atómicas sobre Hiroxima e Nagasáqui, mas considerou uma humilhação a decisão e adotou a tradicional forma de suicídio dos samurais caídos em desonra. Não foi um caso isolado, pois o DN acrescentava também na primeira página que "em Tóquio e nas frentes de batalha aumenta a vaga de suicídios.

Anami considerava que os japoneses deveriam resistir até ao fim, lutando no arquipélago contra os invasores de modo a causar-lhes tantas baixas que desistissem de dominar o país. Na mensagem que enviou às tropas antes do harakiri escreveu: "Oficiais e soldados japoneses! O Japão perdeu a guerra, mas posso afirmar-vos que é apenas temporariamente. Não levará muitos anos que o Japão derrote os vencedores de hoje. Para isso é necessário que o povo japonês sofra com resignação e calma e trabalhe mais do que nunca. A vitória do Japão chegará um dia".

A ocupação americana foi benévola, preservando o imperador, e os dois inimigos tornaram-se sólidos aliados, como democracias. O trabalho árduo dos japoneses permitiu ainda a recuperação do país, hoje terceira economia mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.