O harakiri do ministro

A edição do DN de 16 de agosto de 1945 dava conta do suicídio do ministro da Guerra japonês, inconformado com a rendição frente aos Estados Unidos.

"Fez harakiri o ministro da Guerra japonês", noticiava o DN de 16 de agosto de 1945, datado de um dia depois do imperador Hirohito ter anunciado na rádio a rendição incondicional aos Estados Unidos, ponto final da Segunda Guerra Mundial. Korechika Anami, general de 58 anos, assinara a rendição, tal como os restantes membros do governo, depois das bombas atómicas sobre Hiroxima e Nagasáqui, mas considerou uma humilhação a decisão e adotou a tradicional forma de suicídio dos samurais caídos em desonra. Não foi um caso isolado, pois o DN acrescentava também na primeira página que "em Tóquio e nas frentes de batalha aumenta a vaga de suicídios.

Anami considerava que os japoneses deveriam resistir até ao fim, lutando no arquipélago contra os invasores de modo a causar-lhes tantas baixas que desistissem de dominar o país. Na mensagem que enviou às tropas antes do harakiri escreveu: "Oficiais e soldados japoneses! O Japão perdeu a guerra, mas posso afirmar-vos que é apenas temporariamente. Não levará muitos anos que o Japão derrote os vencedores de hoje. Para isso é necessário que o povo japonês sofra com resignação e calma e trabalhe mais do que nunca. A vitória do Japão chegará um dia".

A ocupação americana foi benévola, preservando o imperador, e os dois inimigos tornaram-se sólidos aliados, como democracias. O trabalho árduo dos japoneses permitiu ainda a recuperação do país, hoje terceira economia mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.