Bancos ainda têm cinco mil milhões de euros em imóveis à venda

Só o BCP tem imóveis recebidos de clientes em incumprimento no valor de 1664 milhões de euros. Na maioria, os bancos estão a vender habitações fora dos centros das grandes cidades.

Elisabete Tavares
Alguns imóveis que vão ser convertidos em habitação situam-se na Avenida da República, em Lisboa.© Leonardo Negrão/Global Imagens

O boom no mercado imobiliário em Portugal tem ajudado os bancos a desfazerem-se das casas que têm em carteira com origem em créditos que entraram em incumprimento. Ainda assim, apesar de terem vendido imóveis no valor de 192,3 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, cinco dos maiores bancos do país - Santander, Millennium bcp, Caixa Geral de Depósitos, Montepio e BPI - têm ainda 3,5 mil milhões de euros em imóveis para vender. Incluindo a carteira que o Novo Banco detinha em dezembro de 2017, a última vez que reportou estes dados, o valor dos imóveis a alienar pelos maiores bancos sobe para 5,5 mil milhões de euros.

O Millennium bcp é o campeão em imóveis detidos para venda. No final de junho, o banco liderado por Miguel Maya tinha 1664 milhões de euros em imóveis em carteira. A Caixa Geral de Depósitos tem 979 milhões de euros em imóveis à espera de comprador. O Novo Banco, o herdeiro bom do Banco Espírito Santo, tinha em dezembro 1989 milhões de euros em ativos imobiliários detidos para venda, valor correspondente a 9676 imóveis.

As imobiliárias têm ajudado a escoar o stock de imóveis dos bancos, mas o peso destes imóveis nas suas carteiras tem vindo a diminuir. "Os imóveis da banca representam um papel importante na atividade, mas o seu peso no número de transações e no volume de negócios diminui nos últimos anos em resultado das melhorias verificadas ao nível da situação económica do país, de um maior cumprimento das obrigações contratuais derivadas dos créditos à habitação e da diminuição da carteira de imóveis dos próprios bancos", explica a Remax.

"Quanto ao volume de negócios, é certo que os imóveis da banca, atualmente, não chegam sequer a cerca de 2% do total dos negócios da empresa. Mas tempos houve em que este peso era bem superior, tempos de crise financeira e fraca procura, em que o pouco que se vendia era financiado a 100% pelos bancos e/ou com baixo valor patrimonial", adiantou.

Ainda segundo a Remax, "o imóvel do banco típico é o imóvel habitacional (sobretudo apartamentos), localizado na periferia das grandes cidades ou na malha urbana dos principais municípios. Por exemplo, hoje será quase impossível encontrar um imóvel MLS [multiple listing service, a designação dada quando um imóvel está à venda em várias imobiliárias] no concelho de Lisboa".

A ERA tem 2576 imóveis da banca à venda, correspondentes a 4% da sua carteira global. "Maioritariamente estamos a falar de moradias e apartamentos que representam quase 40% dos imóveis da banca que a ERA tem para comercialização. Logo a seguir estão os terrenos, que representam 30%", informou a imobiliária.

Também a Century 21 Portugal continua a promover a venda de imóveis de entidades financeiras. "As carteiras de imóveis da banca apresentam, atualmente, uma maior concentração de imóveis não residenciais, como terrenos, lojas, armazéns e outro tipo de edifícios", afirmou Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.

[HTML:html|imoveis.html|640|516]

Os bancos pretendem prosseguir com a estratégia de venda de imóveis em carteira. O Millennium bcp vendeu 2189 imóveis recebidos em dação na primeira metade deste ano por 255 milhões de euros, registando uma mais-valia de 31 milhões de euros. Ou seja, o banco liderado por Miguel Maya conseguiu escoar mais 574 imóveis do que no primeiro semestre do ano passado, num encaixe total de 165 milhões de euros, que gerou uma mais-valia de 17 milhões de euros.

O Santander quer vender 5000 imóveis até ao final do ano, que eram na sua maioria do Banco Popular, que foi comprado pelo concorrente espanhol por um euro em junho de 2017.

O banco liderado por António Vieira Monteiro vendeu uma carteira de 400 milhões de euros de ativos do Popular e do Santander na primeira metade deste ano e pretende vender uma carteira de crédito malparado de valor superior até ao final de 2018. A realização da operação está dependente das condições do mercado, afirmou Vieira Monteiro, à margem da conferência de apresentação dos resultados do Santander em Portugal. Neste ano, o banco vendeu 85 milhões de euros em imóveis, com lucro.

O Banco BPI alienou 220 imóveis entre janeiro e o final de junho deste ano, por 19 milhões de euros, registando um lucro de 2,2 milhões de euros. O banco do espanhol CaixaBank tem 68 milhões de euros de imóveis obtidos por recuperações de crédito.