Premium Estados Unidos e Rússia acordam no desacordo

Reunião do secretário de Estado norte-americano com Sergei Lavrov e Vladimir Putin teve como objetivo encontrar um mínimo denominador comum para o restabelecimento das relações. Mas nos temas quentes as duas potências mostraram total falta de sintonia.

O presidente russo, Vladimir Putin, viajou na terça-feira para o Centro de testes de voo Chkalov, em Akhtubinsk, para inspecionar tecnologias aéreas e armamentos, incluindo um caça MiG-31 armado com o míssil hipersónico Kinzhal. Viu ainda o mais recente caça MiG-35 e um Sukhoi-57, igual à esquadra que o escoltou quando o avião presidencial se aproximava de Akhtubinsk, cidade a 130 quilómetros de Volgogrado. A visita foi uma mensagem para Washington? "Não, não é verdade. Daqui nenhuma teoria da conspiração deve ser engendrada", respondeu o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Intencional ou não, o Kremlin chamou a atenção para os avanços da indústria e da tecnologia militar russa, a poucas horas de um encontro com um alto representante de um país com quem tem uma relação tumultuosa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.