Premium O nosso minotauro verde

Numa entrevista recente ao Expresso (30/06/2018), o arquiteto Eduardo Souto de Moura, interrogado sobre a tragédia do incêndio florestal de 17 de junho de 2017, respondeu: "A natureza encarrega-se de destruir o que não interessa (...) há uma fotografia aérea do terreno de uma dinamarquesa. É um quadrado verde. Ela plantou carvalhos. O resto é tudo eucaliptos a arder (...) Falhou e ardeu tudo, exceto o quadrado [com carvalhos] da senhora nórdica...". Qualquer leitor que tenha o coração no sítio certo não poderá deixar de concordar com a dolorosa perplexidade do grande arquiteto portuense. Como foi possível Portugal, onde o primeiro eucalipto chegou já bem no século XIX, ser hoje o país com mais área relativa (9% do território) e o quinto em área absoluta ocupada por esta espécie? Depois do ano catastrófico de 2017, esta pergunta não pode ficar sem resposta. Quase meio milhão de hectares ardidos e cerca de 120 vidas horrivelmente perdidas, números sem paralelo com nenhum outro país da OCDE, fazem da questão dos incêndios rurais uma ferida aberta na nossa identidade como povo. Este país, que já foi um império, é hoje incapaz de proteger o seu território do monstro verde criado pela nossa incúria coletiva.

Um corajoso contributo sobre este enigma chega-nos através do livro coautorado por João Camargo e Paulo Pimenta de Castro, Portugal em Chamas. Como Resgatar as Florestas (Bertrand). Os autores, cidadãos preocupados e investigadores competentes, fazem as perguntas e procuram dar as respostas, baseando-se em sólida informação empírica. A tese principal é esta (a simplificação é da minha responsabilidade): a expansão do eucalipto resulta da combinação entre dois fatores: a) uma indústria poderosa, lucrativa e demasiado influente politicamente; b) um Estado que decidiu deixar o país agroflorestal entregue aos puros mecanismos de mercado, acabando por "governar por omissão". Na minha perspetiva, não é preciso ter lido Milton Friedman para não pedir às empresas que pensem noutra coisa que não nos seus lucros. O que é politicamente chocante é verificarmos como sucessivos governos consentiram em que a "epidemia de eucaliptos" se espalhasse nos minifúndios abandonados como uma infeção, sem qualquer espécie de ordenamento e gestão. O que falhou foi o sistema político. Este Estado, que é poderoso com os mais frágeis e pateticamente impotente perante os grandes problemas e os grandes interesses. Não é preciso subscrever na íntegra este livro para perceber que se trata de um esforço sério e útil. A abundância e virulência dos argumentos falsos ou laterais com que tem sido atacado revela que deve ter acertado em cheio nalgum alvo sensível...

Resgatar a floresta portuguesa vai durar décadas, mas sem isso o ativo que é o território ficará amputado. A acreditar nas palavras do governo, "agora é que vai ser". Pura ilusão: os dados oficiais indicam que em 2017 foi batido o recorde de plantação de eucaliptos desde 2013: 18 497 hectares novinhos em folha (contra apenas 402 de sobreiros)! O famoso "petróleo verde" transformou-se num minotauro voraz, instalado nos labirintos de desertos plantados a perder de vista. Lá quase não vive ninguém, mas todos os anos pagamos um pesado imposto na "época dos incêndios". Em 2017, o minotauro começou a exigir um tributo em sangue. Um país que deixa queimar o seu chão e devorar os seus filhos já não é livre nem soberano.

Professor universitário

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.