Salazar, o ditador

Portugal tem poucos salazaristas, porque Salazar há muito que não é popular. Imagine viver debaixo do mesmo político, ainda que o seu favorito, durante 40 anos (1928-1968). Todavia, é bom termos consciência do que ele representou para que, ainda assim, o salazarismo fique nas franjas. Os tempos não estão para brincadeiras com o passado.

Há vários mitos sobre o sujeito que resultam, em primeiro lugar, da enorme máquina de propaganda que montou e, em segundo lugar, do facto de se ter passado demasiado tempo a desfazer a máquina, presos à agenda oficial. Há muito que está na altura de avançar.

Começando pelo fundamental, o salazarismo não é um período da história, mas sim a ditadura, entre 1926 e 1974. Ela começou com um dos muitos golpes militares que o país conheceu, desta vez ligado ao pensamento político de direita. Os militares foram buscar alguém para a pasta das Finanças que acabou por ser quem foi, mas que podia ter sido outro. Depois, já dentro do governo, esse alguém manobrou com perícia a ascensão ao lugar de topo, seguindo-se a criação de um eficaz novo quadro constitucional, com presidente da República, partido único e presidente do Conselho. Tudo feito em regime de ditadura, com coerção, polícia política, censura, prisões e mortes. Nada de excepcionalmente desumano, o que coloca a ditadura portuguesa numa escala baixa, no quadro dos horrores do período, mas, mesmo assim, uma ditadura com todas as letras.

Uma parte importante da ascensão de Salazar está relacionada com o que fez com as finanças públicas e o défice externo. Todavia, ao contrário do que a máquina de propaganda oficial quis fazer crer, nada foi feito de novo e tudo poderia ter sido feito em democracia. Que não haja dúvidas, pois Portugal sempre foi europeu. Aliás, o ano da viragem financeira do país não foi 1928, quando o ditador em ascensão tomou conta das finanças, mas sim 1924, quando, ainda no período da República, as finanças europeias e, por conseguinte, as portuguesas se reequilibravam. Veio depois a crise de 1929, que muito afectou a Europa, sobretudo a central, e menos Portugal, graças às políticas de pensamento keynesiano que acabaram finalmente por ganhar voz no mundo atlântico, dos Estados Unidos da América ao Reino Unido.

Durante a guerra civil de Espanha e a Segunda Guerra Mundial, o ditador e o seu enquadramento, já então consolidado, tomaram graves decisões que, essas, ainda não foram suficientemente avaliadas pela história. Nos mesmos anos também abandonou as colónias à sua sorte, com custos para todos os que lá viviam. O país escapou-se das piores consequências de tais opções, graças à especial conjuntura internacional que viria a desenvolver-se.

A seguir ao fim da guerra, Salazar tornou-se outro. E foi aqui que a sua fase de maior impopularidade, a que vingou até aos nossos dias, começou. Enquanto a Europa Ocidental mudava no sentido da consolidação democrática, o homem resolveu declarar-se "orgulhosamente só". Enquanto a Europa deixava o passado colonial, em alguns casos com sangue derramado, lembrou-se de que afinal as colónias eram para manter. Enquanto a sociedade ocidental se libertava, isolava-se cada vez mais nos salões do poder. Enquanto as democracias se tornavam cada vez mais transparentes e menos corruptas, o ditador permitiu o alastramento de ligações excessivas entre negócios e política, distribuindo licenças, repartindo mercados, autorizando investimentos consoante os interesses de quem queria controlar tudo e todos. Também na economia, não há ditadores liberais, por definição.

Em 1968, gravemente doente, foi finalmente retirado do poder pela ordem constitucional que deixara (entretanto revista em dois aspectos cruciais, fáceis de identificar). Não pela primeira vez, pois isso já tinha acontecido em 1945, grassou momentaneamente um certo optimismo, sobretudo entre aqueles que se associaram ao governo, pretendo reformá-lo por dentro, mas que rapidamente morreu. Nem o optimismo tecnocrático sobreviveu.

A ditadura, de que Salazar fez parte, deixou um país politicamente fechado e repressivo, uma sociedade distante das mudanças ocorridas na Europa Ocidental, uma economia distorcida pela excessiva aproximação entre negócios e Estado, e um império sem forças, dentro e fora de fronteiras. Ficará nos anais da história como um período de milhares de oportunidades perdidas. Sim, a economia cresceu, como nunca tinha crescido e nunca mais cresceria. Mas associar isso a Salazar ou à ditadura é apenas outro dos grandes mitos. Seria bom que os poucos que ainda pensem em brincar ao salazarismo os conheçam bem.

Investigador da Universidade de Lisboa. Escreve de acordo com a antiga ortografia.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG