Encontro marcado com a Índia

O primeiro-ministro António Costa escreve sobre as relações Portugal-Índia no dia em que se cumprem 71 anos da independência daquele país.

Cumprem-se hoje 71 anos sobre o nascimento da Índia independente, a 15 de agosto de 1947. Num discurso cheio de sentido e de emoção, momentos antes da meia-noite da independência, o então recém-nomeado chefe do governo da Índia, Jawaharlal Nehru, recordou aos seus compatriotas o "encontro com o destino" que haviam marcado anos antes, em 1929, no início de um longo e inspirador movimento de não violência protagonizado por Mahatma Ghandi. Nehru proclamou a independência do país com solenidade e esperança, como se de um verdadeiro renascer se tratasse: "Ao bater da meia-noite, enquanto o mundo dorme, a Índia acorda para a vida e para a liberdade."

Nascido de pai goês, e, portanto, enquanto pessoa de origem Indiana, o dia 15 de agosto reveste-se para mim de um simbolismo especial.

A minha visita oficial à Índia, em janeiro de 2017, constituiu por isso um reencontro com as minhas origens. Mas foi também uma oportunidade para conhecer uma Índia com encontro marcado com o mundo e com a modernidade. Um imenso país que reúne um quinto da população mundial, na sua maioria jovem. Um país que regista a maior taxa de crescimento entre as grandes economias mundiais, que se deverá manter e consolidar nos próximos anos, resultado das reformas em curso para relançar a atividade económica, promover o investimento e criar emprego. Um país aberto ao mundo e com uma influência crescente, mercê também da sua importante diáspora, espalhada pelos cinco continentes.

Portugal e a Índia são duas economias que querem percorrer o século XXI juntas. As relações bilaterais entre Portugal e a Índia são antigas e fundadas sobre fortes laços históricos e humanos, que tanto se têm reforçado nos últimos anos, fruto de trocas e de contactos cada vez mais diversos e intensos, sedimentados pela minha visita, pela do primeiro-ministro Narendra Modi a Lisboa, seis meses mais tarde, e pelos novos trilhos de cooperação que lançámos em conjunto.

Assinámos acordos nos setores da ciência e da tecnologia, com ênfase também nos recursos marinhos, da defesa, do turismo, da cultura, da modernização administrativa, do comércio e do investimento, e das energias renováveis. Além da cooperação entre os nossos Estados, as nossas administrações e as nossas universidades, o verdadeiro sucesso destes acordos medir-se-á pela intensificação das relações económicas entre os dois países.

Essa intensificação está já a acontecer. Em 2017, as exportações portuguesas para a Índia cresceram 50% e as exportações indianas para Portugal 25%, bem mais do que os 8% do aumento das nossas importações e exportações de e para o resto do mundo. Este crescimento permitiu que em 2017 tivéssemos mais 140 empresas a exportar para a Índia do que tínhamos em 2013.

Mas podemos ir mais longe, permitindo que as nossas empresas não só participem como alavanquem o forte crescimento que se tem registado nos dois países. Em Portugal, as empresas indianas poderão encontrar um porto seguro e um terreno fértil para o seu investimento. Disse-o em Londres, em abril passado, às mais de 800 empresas que têm no Reino Unido a sua base de operações europeia, e cujos rendimentos representam mais de um quarto do nosso PIB, que podem ter o 2-em-1 do brexit no Reino Unido e, a partir de Portugal, continuar a operar no mercado interno europeu. E na Índia, onde ambos os países estão empenhados em que as empresas portuguesas participem nos grandes projetos de investimento da Índia. Foi esse, aliás, o tema de uma reunião que promovi em fevereiro entre o governo indiano e o nosso setor da construção, e é já uma realidade efetiva, com a biometria do aeroporto de Bangalore, o terceiro maior da Índia, a ser fornecida pela VisionBox, num contrato que iremos assinalar publicamente em Lisboa no início de setembro. Também o Grupo Águas de Portugal (AdP) assinou em dezembro um protocolo de desenvolvimento de negócios com a WAPCOS, empresa pública que lidera projetos neste setor na Índia e no continente africano e asiático, graças ao qual se estão a gerar sinergias e valiosas oportunidades internacionais de negócio para a AdP.

" Em Portugal, as empresas indianas poderão encontrar um porto seguro e um terreno fértil para o seu investimento"

Para o aprofundamento destas relações contamos agora também com o apoio do Portugal-India Business Hub, uma plataforma que visa promover negócios entre empresários em Portugal e na Índia, mas também em países terceiros com forte presença das nossas diásporas, e cujo trabalho quero reconhecer e incentivar.

Se há cinco séculos foi a rota marítima que juntou Portugal e a Índia, hoje será certamente a rota do digital e da inovação que nos juntará para o futuro. Por isso, lançámos o Programa Startup Visa, que anunciei na minha visita à Índia, e que conta já com várias candidaturas em curso de empreendedores indianos, e o India-Portugal Startup Hub, que anunciámos aquando da visita do primeiro-ministro Modi a Portugal, e que abriu no passado dia 7 agosto um programa de acolhimento de startups indianas em Portugal, em parceria com a Startup Lisboa, a Startup Braga e a Scaleup Porto. Os resultados destas iniciativas serão anunciados durante a Web Summit deste ano.

"Se há cinco séculos foi a rota marítima que juntou Portugal e a Índia, hoje será certamente a rota do digital e da inovação que nos juntará para o futuro"

Ao cinema e ao turismo cabem igualmente um papel fundamental nesta aproximação entre os nossos países. Portugal insere-se hoje na rota de Bollywood enquanto destino de filmagens para a importante indústria cinematográfica indiana, com o apoio do Fundo Turismo e Cinema, que criámos para promover a captação de filmagens internacionais no nosso país. Produções emblemáticas de Bollywood como My Story e Jab Harry Met Sejal foram realizadas em Portugal nos últimos anos e a cidade do Porto acolherá, a partir de outubro, as gravações do próximo grande filme indiano.

O protocolo que assinámos com o VM Salgaocar Institute de Goa tem, por seu turno, permitido promover a troca de experiências e de competências na área do turismo, através do intercâmbio de alunos de escolas de hotelaria e turismo.

Todas estas iniciativas têm-se revelado determinantes para colocar Portugal no mapa dos turistas indianos, cujo número aumentou 46% entre 2015 e 2017, e já regista neste ano um aumento de 32%.

Foi também com profunda emoção que aceitei o convite do primeiro-ministro Modi para integrar a comissão para as comemorações dos 150 anos do nascimento de Mahatma Gandhi, que terão lugar em 2019.

Há 71 anos, na madrugada de 15 de agosto, os indianos viveram o seu encontro com o destino. Hoje, durante todo o dia, portugueses e indianos têm também encontro marcado, no Jardim Vasco da Gama, em Belém. Ali poderão desfrutar de um festival que marca com os sons, as cores e os aromas da Índia o culminar de um ano de festejos do 70.º aniversário da sua independência.

A todos os indianos espalhados pelo mundo, e em especial aos membros da comunidade indiana em Portugal, desejo um feliz e auspicioso Dia da Independência.

António Costa

Primeiro-ministro

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."