Facebook pede desculpa mas não explica nova falha nos serviços

Todos os serviços do Facebook, incluindo Instagram e WhatsApp, estiveram mais de duas horas em baixo neste domingo. A rede social de Mark Zuckerberg pediu desculpa pelo "inconveniente" mas não dá explicações.

A falha no serviço durou mais de duas horas e foi tendência no Twitter - uma das poucas redes sociais a funcionar no final da manhã de domingo -, com as hastags #facebookdown, #instagramisdown, #whatsappdown (Facebook, Instagram e WhatsApp estão em baixo) a liderar a lista das mais utilizadas.

Foi por volta das 11.30 de domingo, 12 abril, que Facebook, Instagram e WhatsApp pararam de funcionar, uma falha a nível mundial que durou mais de duas horas. Só pelas 14.00 a rede social de Mark Zuckerberg voltou a estar operacional. O sistema de mensagens instantâneas Messenger (que também é do Facebook) ficou igualmente inacessível.

Um porta-voz da empresa disse à Reuters que o Facebook - que adquiriu o Instagram em 2012 e o WhatsApp em 2014 - lamentava o sucedido e pedia desculpas por "qualquer inconveniente" causado aos milhões de utilizadores espalhados pelo mundo.

Segunda falha nos serviços em menos de um mês

A rede social não esclareceu, no entanto, o que originou esta falha no serviço, a segunda em menos de um mês.

Já a 13 de março, os utilizadores do Facebook relataram várias falhas no acesso à rede social e Portugal não foi exceção. As queixas abrangiam dificuldades no login, no feed de notícias e até uma falha total do serviço, tendo sido considerado a pior de sempre. Só no dia seguinte a empresa de Mark Zuckerberg considerou que os problemas estavam resolvidos.

Nessa ocasião, a gigante tecnológica, sediada na Califórnia, justificou a inoperacionalidade da família de aplicações do Facebook a uma "mudança de configuração do servidor". "Resolvemos os problemas e os nossos sistemas estão a recuperar. Lamentamos o inconveniente e agradecemos a paciência de todos", reportou o Facebook na rede social. O Messenger, o Instagram e o WhatsApp também foram afetados.

A interrupção dos serviços detetada no mês passado afetou sites como o Tinder e o Spotify, que usam as credenciais do Facebook e que por essa razão não conseguiam autorizar o login.

Os serviços voltaram a estar inacessíveis neste domingo, durante mais de duas horas, mas até ao fim do dia a empresa não deu quaisquer explicações sobre o que aconteceu, nem quantos utilizadores foram afetados.

Durante a falha de serviço, o Down Detector,site que relata as falhas em vários serviços online, registou 14 526 reclamações relacionadas com problemas no Facebook, 7748 referentes ao Instagram e 3078 relacionadas com o WhatsApp.

Foram registados problemas no envio de mensagens através do Messenger do Facebook ou do WhatsApp, na atualização das páginas do Facebook e do Instagram e até no acesso aos sites oficiais destas redes socais. As falhas foram registadas nos Estados Unidos, na Europa e em algumas partes da Ásia.

Facebook com 2,3 mil milhões de utilizadores mensais

O historial de falhas de serviço na família de aplicações do Facebook já é longo. Em 2008, por exemplo, a rede social ficou inacessível durante quase um dia devido a um bug informático afetando muitos dos seus 150 milhões de utilizadores na altura.

A rede social tem atualmente cerca de 2,3 mil milhões de utilizadores mensais em todo mundo. Apesar de a extensão dos danos desta nova falha não ser ainda conhecida, o impacto terá sido elevado, pois muitas empresas usam os serviços do Facebook como ferramentas de comunicação. Também a industria da publicidade, com os anunciantes a apostarem cada vez mais nestas plataformas online, terá sido afetada.

A empresa fundada por Mark Zuckerberg detém o Instagram, adquirido em 2012 por mil milhões dólares (cerca de 885 milhões de euros) e o WhatsApp, comprado em 2014 por 19 mil milhões de dólares (cerca de 17 mil milhões de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.