Premium As 75 vitórias de Hamilton e outras curiosidades em mil corridas de Fórmula 1

O britânico pentacampeão do mundo ganhou a histórica prova na China. Mas sabe quantos quilómetros já se correram em mil Grandes Prémios da F1? E quantas provas houve em Portugal?

A corrida n.º 1000 da história do Mundial de Fórmula 1 ficou assinalada como um marco também na carreira do grande nome atual da competição, o pentacampeão Lewis Hamilton, que conquistou no circuito de Xangai, na China, a 75.ª vitória em Grandes Prémios. O segundo triunfo consecutivo da temporada permite ao britânico chegar ao topo da classificação de pilotos pela primeira vez nesta época, ao fim de três corridas, e continuar a perseguição histórica ao único nome que lhe resiste, ainda, na F1: o alemão Michael Schumacher, que ganhou 91 corridas e sete títulos mundiais.

Com a terceira dobradinha consecutiva a abrir a temporada de 2019, também a Mercedes reforçou neste Grande Prémio da China o seu legado na Fórmula 1. A construtora alemã igualou a McLaren no segundo lugar desse ranking histórico, com a 47.ª vez em que os seus pilotos acabaram uma corrida nos dois primeiros lugares (1-2), mas longe ainda das 83 da Ferrari. Ora, uma abertura de época assim tão dominante por parte de uma equipa já não era vista desde 1992, quando Nigel Mansell e Ricardo Patrese dominavam o ritmo do pelotão com os seus Williams-Renault.

Ler mais

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.