Premium Lisboa e Porto. Programa alternativo para quem não foi para a praia

Estas são algumas alternativas a programas que envolvem praia e campo: de concertos a cinema ao ar livre e a exposições para quem não teve tempo de as ver no período de trabalho.

Se está em Lisboa ou no Porto durante o mês de agosto, tome nota destas propostas, de que fazem parte filmes de Renoir ou Fellini projetados nas Ruínas do Carmo, um concerto gratuito de Camané, ou um encontro com o colossal trabalho de Anish Kapoor no Porto.

Cinema ao ar livre

A Casa Independente, no Largo do Intendente, em Lisboa, organiza no seu pátio um ciclo com filmes de Pedro Almodóvar. Se ainda não tinha ouvido falar, ainda vai a tempo de ver Tudo sobre a Minha mãe, no dia 22, e Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos, no dia 29. Sempre às 21.00 e sempre gratuito.

O Ciclo Cinema nas Ruínas leva às Ruínas do Carmo 8 1/2 de Fellini (dia 22), o filme de animação A Minha Vida de Courgette, de Claude Barras (dia 24), Mulholland Drive, de David Lynch (dia 25), e O Rio Sagrado, de Jean Renoir (dia 27), entre outros. O bilhete custa seis euros e a lotação é limitada.

No Centro Cultural de Belém está em curso um ciclo de cinema ao ar livre em torno do Maio de 68. No dia 17 chega a vez de Chris Marker e o seu O Fundo do Ar É Vermelho (1977), às 21.30. No dia 31 será exibido Depois de Maio (2012) de Olivier Assayas. A entrada é livre.

O festival de videoarte FUSO está de regresso, na sua 10.ª edição, com o tema "(R)evolução e (R)esistência na Videoarte", e começa com Mein Kampf de Daniel Blaufuks a 28 de agosto, às 21.00, na Travessa da Ermida. Os filmes em competição são exibidos no dia 29 no jardim do MAAT entre as 22.00 e as 23.15.

O festival celebra o Maio de 68 no Museu Nacional de Arte Antiga com os programas Os Cinétracts de Maio de 68: A Revolução no Cinema, de Bernardette Caille, curadora da exposição 1968, Quelle Histoire! no Rencontres de la Fotografie d'Arles em 2018, e Sensação de Poder: Corpos de Resistência, de Lori Zippay, diretora da Electronic Arts Intermix. Ospreciosos cinétracts, que não têm edição, recorde-se, foram feitos tanto por anónimos como por cineastas como Jean-Luc Godard.

O Cinema Fora do Sítio voltou ao Porto para mais um ano. Os filmes são exibidos ao ar livre em diferentes sítios da cidade. The Strangers: Predadores da Noite (Johannes Roberts, 2018) pode ser visto nos jardins do Palácio de Cristal no dia 17. Segue-se Três Cartazes à Beira da Estrada (Martin McDonagh, 2018), no dia 18, no Jardim de Liège, e outros, até dia 25. A entrada é livre.

O Santo Faz Anos!

Lisboa faz a festa para o seu santo padroeiro e celebra o 827.º aniversário de Fernando de Bulhões, que todos conhecem como Santo António. Amanhã às 21.30, no Largo de Santo António, será exibido o filme A Canção de Lisboa (1933), de José Cottinelli Telmo, com Beatriz Costa, António Silva e Vasco Santana.

Na quarta-feira, e para fechar as comemorações (veja a programação completa de O Santo Faz Anos!), Camané dá um concerto na Basílica de Santo António. Apesar de ser gratuito, o Museu de Lisboa - Santo António aconselha a levantar atempadamente o bilhete.

Da música à magia

Macbeths, texto de Luísa Costa Gomes encenado por António Pires, está em cena nas Ruínas do Carmo até 18 de agosto. "Macbeths não é Macbeth, embora também o seja. É uma peça-em-peças, construída com excertos de outros textos de Shakespeare, nomeadamente de Ricardo II, Otelo, Hamlet, Rei João, Como Queiram, Henrique V, e um ou outro soneto", escreve a autora. Os bilhetes custam 16 euros.

Integrado na programação do Lisboa na Rua, o Hot Clube de Portugal celebra os seus 70 anos com uma série de concertos. O primeiro acontece no dia 25 às 19.00, no Jardim da Quinta de Santa Clara. Em palco estará um quinteto composto, especialmente para este ciclo, pelo corpo docente da escola.

Igualmente parte do Lisboa na Rua é o ciclo Dançar na Cidade, que começa no dia 26, na Quinta das Conchas, com danças brasileiras, e o ciclo Sou do Fado, que começa com um concerto de Paulo Bragança no dia 23 na Praça do Município, e outro de Teresinha Landeiro no dia 30.

A partir de dia 27, o Teatro Nacional de São Carlos recebe a estreia em Portugal de Operalia, o concurso de ópera criado em 1993 por Plácido Domingo. A gala final, com a Orquestra Sinfónica Portuguesa e o próprio Plácido Domingo, acontece só em setembro, no dia 2.

Com direção artística de Luís de Matos, o Festival Internacional de Magia de Rua de Lisboa está de volta à cidade, com 15 artistas, de nove países, que apresentarão espetáculos em diferentes pontos da cidade, do Arco da Rua Augusta ao Largo do Chiado.

A Casa da Música não se escusa a celebrar o verão. Até ao final de agosto esta estação leva àquela casa do Porto Saga Cega o mais recente projeto do guitarrista e compositor Nuno Costa, o brasileiro Fred Martins, na quinta-feira, ou no sábado, do universo do jazz, o seu conterrâneo Humberto Araújo, no dia 30. Antes dele ainda atua, entre outros, a banda indie The Oafs, oriunda de Viana do Castelo. Os concertos têm lugar na esplanada e são gratuitos.

O Porto Busker Fest junta 25 artistas de rua (buskers) para 60 espetáculos de música, magia e comédia em diferentes lugares da baixa do Porto, entre eles o largo da Sé e a Estação de São Bento.

Os jardins do Porto convocaram ainda DJ para os fins de semana de agosto (e começo de setembro). No próximo em São Lázaro, no fim de semana seguinte no Calém, e no primeiro de setembro na Cordoaria. DJ Peba, The Gypsies ou DJ Diogo Ribas são alguns dos nomes na programação de Verão no Jardim.

Exposições

Se não conseguiu vê-las antes, agosto é uma boa ocasião para o fazer. Exposições como Germinal - O Núcleo Cabrita Reis na Coleção de Arte Fundação EDP, para ver no MAAT, Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitetura de Um Livro, no Museu da Cidade, mostra em torno do livro de Victor Palla e Costa Martins, a coleção da Gulbenkian organizada pelo cineasta Joaquim Sapinho, no Museu Gulbenkian, ou Pieter Hugo, Between the Devil and the Deep Blue Sea, no Museu da Coleção Berardo.

Em Serralves, no Porto, espera-o um dos mais importantes artistas do nosso tempo e uma seleção de obras suas: o escultor britânico Anish Kapoor (Bombaim, 1954). Anish Kapoor: Obras, Pensamentos, Experiências é a sua primeira grande exposição em Portugal. Também em Serralves pode ver a segunda parte da Coleção Sonnabend, uma das principais coleções de arte do século XX, mais focada na fotografia.

E porque em agosto, na chamada silly season, acabamos por saber mais da vida de alguns do que no resto do ano, The Kennedy Years pode ser vista no hotel Le Consulat, no Chiado. A exposição é composta por imagens da família vindas do acervo do Museu JFK em Boston e conta ainda com a única cópia do vestido de casamento de Jacqueline Kennedy (que demorou seis meses a ser feito) e a cadeira de baloiço do presidente John F. Kennedy.

O Centro Português de Fotografia, no Porto, mostra Frida Kahlo - As Suas Fotografias, com imagens que estiveram fechadas durante décadas na mítica Casa Azul, onde Frida viveu e trabalhou, com Diego Rivera. Estas quase duas centenas fazem parte de um acervo de 6500 fotografias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.