Varandas é médico. E o que fazem os outros presidentes da I Liga?

Novo presidente do Sporting é o único licenciado em medicina. Maioria dos presidentes da I Liga são empresários.

Pinto da Costa, 80 anos, presidente do FC Porto

É um caso muito particular do futebol português e pode dizer-se que tem como profissão presidente do FC Porto - e é remunerado por isso. Desde os 20 anos que está ligado aos dragões. Começou como vogal da secção de hóquei e foi subindo a pulso até chegar à presidência, cargo que ocupa desde abril de 1982 - depois de vogal passou a chefe de secção do hóquei em campo, chefe de secção de boxe e em 1976 tornou-se diretor do departamento de futebol. Antes de chegar ao clube do coração trabalhou no Banco Português do Atlântico e foi vendedor de tintas e resinas. Mas depois disso tem uma vida inteira dedicada ao dirigismo - é sócio do FC Porto desde 1953.

Luís Filipe Vieira, 69 anos, presidente do Benfica e EMPRESÁRIO

Em 2002 assumiu a presidência da SAD do Benfica (antes esteve no Alverca) e um ano depois era presidente. Na sua vida profissional subiu a pulso como empresário do ramo da construção civil e imobiliária, apesar de só ter a quarta classe. Começou a trabalhar como vendedor numa loja de pneus em Campo de Ourique e anos mais tarde abriu uma sociedade de grande sucesso nesta área. Tornou-se depois empresário de sucesso do ramo imobiliário, fundando a Obriverca e mais tarde passa a deter uma grande percentagem da holding INLAND, Promoção Imobiliária, SA, formada por doze empresas. Hoje tem um filho a gerir os negócios e dedica-se quase em exclusivo ao Benfica.

Frederico Varandas, 38 anos, presidente do Sporting, MÉDICO e MILITAR

Recém-eleito presidente do Sporting, Frederico Varandas foi diretor clínico do clube durante quase sete anos (2011 a 2018), depois de ter exercido as mesmas funções no Vitória de Setúbal (2009 a 2011). Médico militar e capitão do Exército, esteve na frente de batalha em 2008, em Kandahar, no Afeganistão. A formação em Medicina começou pela via militar, ingressando em 1998 no 1.º curso de Medicina da Academia Militar. Em 2005 concluiu a licenciatura na Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa e a formação complementar em Saúde Militar pela Academia Militar. Em 2007 termina a pós-graduação em Medicina Desportiva.


António Salvador, 47 anos, presidente do Sporting de Braga e EMPRESÁRIO

Lidera o clube bracarense desde 2003, com ótimos resultados desportivos, entre os quais uma final europeia. É empresário da construção civil. A sua empresa, a Britalar, construiu, por exemplo, parte significativa do Centro de Estágio do Benfica, no Seixal. Explora parques de estacionamento e mantém um diferendo com a Câmara Municipal de Braga sobre os parquímetros da cidade. É proprietário ainda de um hotel em Braga.


António Silva Campos, 57 anos, presidente do Rio Ave e EMPRESÁRIO

Está na presidência do Rio Ave há dez anos. É empresário desde 1983 mas só em 1995 conseguiu montar uma estrutura mais profissional e alargar a sua área de negócio da construção civil para a hotelaria, carpintaria, eletricidade, entre outros ramos. A sua empresa construiu bancadas de clubes rivais do Rio Ave, os pavilhões dos supermercados Lidl em Portugal e ainda os interiores das lojas Pré-Natal. É proprietário de um hotel em Vila do Conde.

Francisco José Carvalho, 40 anos, presidente do Desp. Chaves e EMPRESÁRIO

Desde 2011 que dirige a SAD do Desportivo de Chaves. Foi escolhido pelo pai, Francisco Carvalho, que é o principal investidor dos flavienses e que delegou nele a gestão da sociedade. A esta atividade ligada ao futebol, junta a de gestor no ramo hoteleiro como CEO do Forte de São Francisco Hotel, mas também desempenha o mesmo cargo numa empresa de audiovisuais e a editora discográfica Espacial que agencia vários músicos famosos, como é exemplo Marco Paulo.

Carlos Pereira, 66 anos, presidente do Marítimo e EMPRESÁRIO

É presidente do Marítimo desde 1997 (mas trabalha para o clube há 34 anos), quando substituiu no cargo Rui Fontes. Empresário de sucesso, Carlos Pereira está ligado a várias áreas, que vão da hotelaria, à metalomecânica e extração de inertes, passando pela imobiliária, formação profissional e postos de abastecimento. É também dono de um hotel na zona turística do Funchal, o Allegro, uma unidade de quatro estrelas. Apaixonado por futebol e pelo emblema madeirense, costuma dizer que o Marítimo é um hóbi de estimação.

João Loureiro, 54 anos, presidente do Boavista, ADVOGADO, EMPRESÁRIO e EX-MÚSICO

Licenciado em Direito na Universidade Católica Portuguesa do Porto, é advogado de profissão mas atualmente está ligado a essa área apenas como consultor jurídico. Ainda jovem foi vocalista, autor e líder dos Ban, banda de pop-rock das décadas de 1980 e 1990. Presidente do Boavista desde 28 de dezembro de 2012, depois de já o ter sido entre 1997 e 2007, tem também alguns negócios de família no ramo da hotelaria. Frequentou ainda vários cursos de línguas e esteve no Estado Maior do Exército e na Polícia Judiciária Militar, licenciando-se como Alferes.

Júlio Mendes, 54 anos, presidente do V. Guimarães e ENGENHEIRO CIVIL

Presidente do V. Guimarães desde 2012, Júlio Mendes dedica-se atualmente em exclusividade ao clube, até porque é também presidente da SAD. Formado em Engenharia civil, tirou também uma pós-graduação em Gestão. Chegou a exercer como engenheiro civil em entidades privadas e antes de ser eleito presidente do V. Guimarães trabalhou como vereador da Câmara municipal da cidade onde foi também dirigente. Natural de Azurém, além do futebol tem uma paixão pela aviação.

Rodiney Sampaio, presidente da SAD do Portimonense e EMPRESÁRIO

Em maio de 2017, o brasileiro Rodiney Sampaio foi eleito presidente da SAD do Portimonense, depois de ter exercido o cargo de diretor geral da sociedade desportiva do clube algarvio. Rodiney esteve sempre ligado ao futebol, na área do agenciamento, consultoria e assessoria de jogadores, na empresa Teo Sports. Além de vários negócios no Brasil, muitos com o Vitória da Bahia, o empresário esteve muito ligado ao futebol japonês, onde chegou a concretizar mais de 300 transferências de jogadores. O clube é gerido pelo empresário por Fernando Rocha, empresário na área da imobiliária.

Gilberto Coimbra, 56 anos, presidente do Tondela e EMPRESÁRIO

Aos 18 anos, deixou os estudos para ajudar os avós a cuidar da tradição familiar ligada ao comércio de peixe. Atualmente, comanda um dos principais grupos portugueses da área alimentar, a Gialmar, empresa dedicada aos congelados, e é um dos maiores empresários do concelho de Tondela, no distrito de Viseu. Também um dos principais empregadores da região, as suas unidades de produção têm cerca de 200 funcionários.

Rui Pedro Soares, 45 anos, presidente do Belenenses e GESTOR

É o presidente da SAD do Belenenses desde 2012, quando a Codecity, a empresa da qual é proprietária, garantiu a maioria do capital da sociedade que gere o futebol profissional dos azuis do Restelo. É licenciado em Gestão de Marketing no IPAM, foi vereador, sem pelouro, na Câmara Municipal de Lisboa e assistente do grupo parlamentar do PS no Parlamento Europeu. Posteriormente trabalhou no Banque Nationale de Paris/Paribas, mais propriamente na direção do Banco Cetelem. Entrou na PT em 2001 mas só em 2005 ganhou uma posição de destaque como administrador executivo.

Wei Zhao, presidente da SAD do Desp. Aves, EMPRESÁRIO

Presidente da SAD do Desp. Aves desde que o brasileiro Luiz Andrade se demitiu, no início de junho, o chinês Wei Zhao é o detentor da empresa de gestão e marketing desportivo Galaxy Believers que, por sua vez, é acionista maioritária da sociedade dos avenses. Anteriormente, esteve ligado à área da restauração. A título de curiosidade, o presidente do clube, Armando Silva, é empresário nos ramos do vinho e do têxtil.


Vítor Hugo Valente, 56 anos, presidente do V. Setúbal e ADVOGADO

Eleito presidente do Vitória de Setúbal a 21 de dezembro do ano passado, Vítor Hugo Valente tirou o curso de Direito, é advogado de profissão e continua a exercer, tendo inscrição ativa na Ordem dos Advogados, com escritório de advocacia em Setúbal. Já assim o tinha sido quando foi vice-presidente do clube e líder da SAD entre 2009 e 2012.

Vítor Magalhães, 66 anos, presidente do Moreirense e EMPRESÁRIO

É um empresário que enriqueceu na indústria têxtil e gere atualmente um grupo com interesses diversificados que vão também do imobiliário à agricultura ou restauração. Fundou a primeira empresa - a Magalhães e Pereira - quando regressou da tropa em Moçambique, no pós-25 de abril. No seu vasto portfolio inclui-se a Petratex, que saltou para a ribalta mundial em 2008, quando desenhou para a Speedo o fato especial utilizado pelo nadador Michael Phelps nos Jogos Olímpicos. Tem fábricas em Portugal, Tunísia, Moçambique e Brasil e as suas empresas movimentam mais de 100 milhões de euros por ano.

Kunle-Soname, presidente da SAD do Feirense e EMPRESÁRIO

Em 2015, o nigeriano entrou como parceiro estratégico da SAD do Feirense, comprando 70% das ações da sociedade do clube de Santa Maria da Feira e tornando-se no primeiro empresário africano a deter um clube na Europa. Um ano depois assumiu o cargo de presidente da SAD do Feirense. Numa entrevista ao site do clube, Soname apresentou-se como "um homem de negócios da Nigéria, que investe e procura o lucro, com "interesse em áreas tão diversas como a agricultura, imobiliário e o desporto." Foi também dirigente da Liga nigeriana e detentor de uma casa de apostas no seu país, a Bet9ja.

Rui Melo Cordeiro, presidente do Santa Clara, ADVOGADO

Empossado como presidente do Santa Clara em junho de 2015, é advogado de profissão e continua a exercer, tendo fundado a RMC - Rui Melo Cordeiro & Associados. É mestre em Direito na especialidade ciências jurídico ambientais e pós-graduado em Direito do Ambiente, Ordenamento do Território, do Urbanismo e do Turismo na Faculdade de Direito de Lisboa. Foi também conselheiro para as questões ambientais no Conselho Regional de Concertação Estratégica no Governo Regional dos Açores e presidente do Núcleo Regional de São Miguel da Quercus.


Rui Alves, 59 anos, presidente do Nacional e ENGENHEIRO CIVIL

Desde 1994 apenas não esteve um ano na presidência do Nacional (entre 2014 e 2015) por ter apresentado a sua candidatura à Liga Portuguesa de Futebol Profissional. É presidente remunerado da SAD mas é engenheiro civil de profissão, e foi nessa qualidade que exerceu a função de vereador do urbanismo da Câmara Municipal do Funchal até resolver candidatar-se às eleições do Nacional da Madeira. Antes disso foi professor, durante um ano, de Física e Química e engenheiro do Governo Regional da Madeira. É ainda senhorio pois é proprietário de prédios no centro do Funchal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".