Premium Anderson França fugiu do Brasil de Bolsonaro. "Pelo menos estamos vivos"

O escritor e ativista brasileiro considera a sua vinda para Portugal um exílio político. Em entrevista ao DN, reflete sobre o atual momento político e social do Brasil e fala do seu romance, finalista do Jabuti, Rio em Shamas.

Decidiu, com a mulher, sair do Brasil e vir para Portugal no dia em que Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil, a 28 de outubro de 2018. Chegou no dia 5 de dezembro. Diz-se exilado político. Anderson França, Dinho para muitos, é escritor, autor de Rio em Shamas, finalista do prémio literário Jabuti em 2017, e ativista.

Cresceu na periferia e nas favelas do Rio de Janeiro, que conhece bem. Diz que desde 2012 recebe ameaças de morte por ter defendido indivíduos em situações de fragilidade, fosse por serem pobres ou negros. Vem de uma família de evangélicos, e diz que foi a Igreja Evangélica a eleger Bolsonaro. Por outro lado, diz-se filho do país de Lula da Silva. É nesse país que afirma acreditar.

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG