Premium São Tomé é independente

No jornal do dia seguinte, relatava-se como o povo recebera a independência de São Tomé, sexto país de expressão portuguesa a consegui-la.

"A satisfação foi demais para o povo santomense". Assim se titulava no Diário de Notícias o relato da independência do sexto país de expressão portuguesa a ganhar este estatuto, um ano passado sobre o 25 de Abril em Portugal.

Na reportagem assinada por Jorge Soares, enviado especial do DN, contava-se como os habitantes saíram à rua com gritos de "independentes", quando "às 9.35 (10.35 em Lisboa) de sábado, o presidente da Assembleia Representativa do Povo proclamava a independência do arquipélago, pondo assim termo a quinhentos anos de exploração colonial portuguesa".

O artigo descrevia "um novo capítulo na história das frondosas ilhas do Atlântico Sul" que agora começava, virando-se a "página negra de sucessivos anos de escravidão, exploração e dependência, em que muitos heróis anónimos e conhecidos caíram na luta constante pela libertação total". E o repórter contava como "toda a cidade oferecia, desde as primeiras horas da manhã, um cativante ar de festa, nos múltiplos arcos embandeirados e o colorido das gentes que começavam a afluir para os festejos".

Infelizmente, a impressão era ainda nesses dias a preto e branco. Mas as imagens são testemunho do entusiasmo que então se viveu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".