Premium Aconteceu em 1963 - Salazar fez declaração ao país e a Guerra Colonial avançou

Em agosto de 1963, o presidente do Conselho garantia que Portugal não ia deixar de lutar pelos territórios ultramarinos.

Em 13 de agosto de 1963, a declaração ao país de António de Oliveira Salazar foi o grande destaque da primeira página do Diário de Notícias. O presidente do Conselho tinha falado no dia anterior sobre a política ultramarina, com a Guerra Colonial já em curso e nesta altura a atingir o ponto de não retorno. Goa, Damão e Diu já eram territórios indianos e em 1963, com conflitos já em Angola, a atenção portuguesas centrava-se em África.

Para Salazar, não havia dúvidas de que Portugal devia resistir. "O povo que trabalha e luta não precisará de largas discussões para se orientar sobre o seu destino", disse na declaração política. Deixava claro que a nação portuguesa iria lutar pela "defesa dos territórios que constituem Portugal até ao limite dos nossos elementos humanos e dos nossos recursos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.