CGD caiu para quarto banco em número de balcões

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já teve a maior rede de balcões bancários em Portugal, entre os principais bancos do país. Agora o banco público ocupa a quarta posição no ranking.

O fecho de balcões imposto na sequência da recapitalização da CGD e a integração do Banco Popular no Santander Totta levou a uma mexida de posições.

Por outro lado, todo o setor tem vindo a redimensionar a rede de agências face ao baixo nível de taxas de juro e magra rentabilidade e perante a crescente oferta e procura de serviços bancários digitais.

Incluindo a rede do Grupo Crédito Agrícola (CA), no final de 2017 a CGD ainda tinha a terceira maior rede de agências, com um total de 587 balcões.

O fecho de 65 balcões do banco estatal no primeiro semestre de 2018 atirou a CGD para a quarta posição, atrás do Santander, Grupo CA e Millennium BCP. A CGD fechou junho com 522 balcões, abaixo dos 662 balcões do líder Santander, das 656 agências do Grupo CA e dos 573 balcões do BCP, segundo dados dos bancos.

O banco público, liderado por Paulo Macedo, tem vindo a implementar um plano estratégico acordado com Bruxelas em 2016. Desde o final desse ano, o banco fechou cerca de sete agências por mês. Apesar dos encerramentos, a Caixa é o banco com maior número de funcionários: 7903.

O plano prevê o fecho de balcões, a redução do número de trabalhadores e a venda de ativos detidos no exterior. No primeiro semestre de 2018, o banco passou de prejuízos a lucros de 194 milhões de euros.

O Novo Banco terminou março com 448 balcões mas entretanto já tem vindo a encerrar agências. O banco reporta em breve os resultados do primeiro semestre.

Quanto ao Banco BPI, fechou o semestre com menos oito balcões face a dezembro: 423 agências.

Os principais grupos bancários em Portugal encerraram neste ano mais de cem balcões, valor que exclui os encerramentos efetuados pelo Novo Banco, que ainda não divulgou dados referentes a junho.

A seguir à CGD, foi o Grupo CA o que registou o maior número de balcões encerrados desde dezembro: 13. Santander e BPI registaram o fecho de oito agências, respetivamente, e o BCP encerrou cinco balcões.

O Caixa Económica Montepio Geral assinala a existência de 321 balcões na sua rede, menos três do que os que registava no final de dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.