CGD caiu para quarto banco em número de balcões

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já teve a maior rede de balcões bancários em Portugal, entre os principais bancos do país. Agora o banco público ocupa a quarta posição no ranking.

O fecho de balcões imposto na sequência da recapitalização da CGD e a integração do Banco Popular no Santander Totta levou a uma mexida de posições.

Por outro lado, todo o setor tem vindo a redimensionar a rede de agências face ao baixo nível de taxas de juro e magra rentabilidade e perante a crescente oferta e procura de serviços bancários digitais.

Incluindo a rede do Grupo Crédito Agrícola (CA), no final de 2017 a CGD ainda tinha a terceira maior rede de agências, com um total de 587 balcões.

O fecho de 65 balcões do banco estatal no primeiro semestre de 2018 atirou a CGD para a quarta posição, atrás do Santander, Grupo CA e Millennium BCP. A CGD fechou junho com 522 balcões, abaixo dos 662 balcões do líder Santander, das 656 agências do Grupo CA e dos 573 balcões do BCP, segundo dados dos bancos.

O banco público, liderado por Paulo Macedo, tem vindo a implementar um plano estratégico acordado com Bruxelas em 2016. Desde o final desse ano, o banco fechou cerca de sete agências por mês. Apesar dos encerramentos, a Caixa é o banco com maior número de funcionários: 7903.

O plano prevê o fecho de balcões, a redução do número de trabalhadores e a venda de ativos detidos no exterior. No primeiro semestre de 2018, o banco passou de prejuízos a lucros de 194 milhões de euros.

O Novo Banco terminou março com 448 balcões mas entretanto já tem vindo a encerrar agências. O banco reporta em breve os resultados do primeiro semestre.

Quanto ao Banco BPI, fechou o semestre com menos oito balcões face a dezembro: 423 agências.

Os principais grupos bancários em Portugal encerraram neste ano mais de cem balcões, valor que exclui os encerramentos efetuados pelo Novo Banco, que ainda não divulgou dados referentes a junho.

A seguir à CGD, foi o Grupo CA o que registou o maior número de balcões encerrados desde dezembro: 13. Santander e BPI registaram o fecho de oito agências, respetivamente, e o BCP encerrou cinco balcões.

O Caixa Económica Montepio Geral assinala a existência de 321 balcões na sua rede, menos três do que os que registava no final de dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.