Premium Quem diria que Rio poderia dizem ámen à Robles!

O livre mercado é, à partida, uma bandeira do centro-direita. Por isso, alguns players ficaram surpreendidos quando, ontem, o presidente do PSD considerou que taxa proposta pelo Bloco de Esquerda para o imobiliário, a que foi dada o nome de taxa Robles, "não é assim uma coisa tão disparatada".

Rui Rio afirmou que não rejeita "liminarmente" a taxa especial proposta pelo BE em relação a negócios no setor do imobiliário. "Com isto não estou a dizer que somos favoráveis àquilo que possa vir a ser proposto pelo Bloco de Esquerda, agora não rejeito liminarmente, não é assim uma coisa tão disparatada, porque, efetivamente, uma coisa é comprarmos e mantermos durante X tempo e outra coisa é andarmos a comprar e a vender todos os dias só para gerar uma mais-valia meramente artificial", sublinhou. E a pergunta que muitos já fazem é: "E quem define o tal X tempo" e "que tempo é esse"?

Rui Rio, que falava aos jornalistas no final de uma reunião com o bastonário da Ordem dos Psicólogos, no Porto, considerou que "o mercado tem de fazer o seu trabalho, mas há momentos em que se pode tentar ajustar no sentido de se tentar evitar os pesadíssimos custos sociais" que a livre oferta e procura pode produzir. Alguns barões do centro-direita já se indignaram com tais declarações.

"Nem eu posso dizer que a ideia é disparatada porque vem da esquerda e se viesse da direita era menos disparatada. Não é assim que oriento os meus pensamentos", sublinhou. Rui Rio comparou os negócios com o imobiliário com o que se passa com as transações da bolsa de valores, onde o imposto que taxa as mais-valias é diferente consoante se tenha as ações por um ano ou apenas dois dias. "Se passar a lógica da bolsa para o imobiliário é óbvio que vale a pensa pensar nisso. Ou seja, o mercado ajusta tudo, isso é verdade, mas ajusta tudo com preços sociais brutais, muitas vezes." Defendeu, portanto, que o Estado "às vezes deve intervir para ajudar a regular o mercado", que, "segundo as teses liberais, ajusta tudo, mas com custos sociais brutais". E a pergunta que muitos já fazem é: "E quem define o tal 'às vezes'"?

Mais à esquerda, ontem o líder parlamentar do PS, Carlos César, manifestou-se contra a taxa especial proposta pelo Bloco de Esquerda em relação a negócios no setor do imobiliário, argumentando que a "especulação" combate-se com aumento da oferta de habitação acessível. E disse que "não há qualquer intenção de o Grupo Parlamentar do PS aprovar a proposta do Bloco de Esquerda". "Pelo contrário, a especulação não se combate com uma taxa que é uma repetição do imposto de mais-valias que já existe." Nem sempre as ideologias são claras, mas a economia é...

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.