Premium A minha rede social

O senhor Simões diz que até é contra e tal, mas que, em alguns casos, francamente, a pena de morte...

O relojoeiro acena que sim, às vezes é o melhor...

Discute-se o homicídio do Montijo, indignação, repúdio, asco, o snack bar está ao rubro. Mantenho-me calado e tiro notas.

A dona Aida ainda lança da porta da cozinha: era fazer-lhes o mesmo! À martelada, se é o que eles gostam!

Só o jovem, que finge ler um livrinho na mesa do canto, arrisca a dissensão: ó senhor Simões, a morte não paga a morte.

Os ombros encolhem-se, pois, enfim, vá, uma prisão perpétua.

E terminamos sossegados as iscas e o frango à passarinho. Não morreu ninguém e amanhã há mais, é o Facebook aqui do bairro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".