Sofia Loren assaltada

O horror vivido por Sofia Loren num hotel de Nova Iorque era relatado com detalhe neste dia 12 de outubro de 1970.

"Bandidos armados ameaçaram raptar-lhe o filho, arrastaram-na pelos cabelos e levaram joias avaliadas em mais de 14 mil contos", relatava a edição do DN neste dia, com grande destaque. A criança, Carlo Ponti Jr., estava também na suíte da atriz, bem como a secretária de Loren, que também foi agredida.

Contava este jornal que "quatro homens penetraram nos aposentos que ela ocupa no 22.º andar de um hotel nova-iorquino", em pleno Central Park, e obrigaram-na "sob ameaça de revólver a entregar-lhes dois mil dólares em dinheiro e todas as joias que trazia consigo e que ela avalia em cerca de meio milhão de dólares".

Aproveitando a ausência do marido da atriz, Carlo Ponti, que deixara Nova Iorque para ir ao funeral do pai, em Milão, os ladrões invadiam o quarto e obrigaram-na a entregar-lhes tudo.

"Senhores da praça, os bandidos fizeram mão baixa de tudo o que encontraram. Em seguida, empreenderam violentar Sofia Loren e chegaram a arrastá-la pelos cabelos conseguindo desta forma que ela lhes desse aquilo que não haviam conseguido descobrir."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".