Sofia Loren assaltada

O horror vivido por Sofia Loren num hotel de Nova Iorque era relatado com detalhe neste dia 12 de outubro de 1970.

"Bandidos armados ameaçaram raptar-lhe o filho, arrastaram-na pelos cabelos e levaram joias avaliadas em mais de 14 mil contos", relatava a edição do DN neste dia, com grande destaque. A criança, Carlo Ponti Jr., estava também na suíte da atriz, bem como a secretária de Loren, que também foi agredida.

Contava este jornal que "quatro homens penetraram nos aposentos que ela ocupa no 22.º andar de um hotel nova-iorquino", em pleno Central Park, e obrigaram-na "sob ameaça de revólver a entregar-lhes dois mil dólares em dinheiro e todas as joias que trazia consigo e que ela avalia em cerca de meio milhão de dólares".

Aproveitando a ausência do marido da atriz, Carlo Ponti, que deixara Nova Iorque para ir ao funeral do pai, em Milão, os ladrões invadiam o quarto e obrigaram-na a entregar-lhes tudo.

"Senhores da praça, os bandidos fizeram mão baixa de tudo o que encontraram. Em seguida, empreenderam violentar Sofia Loren e chegaram a arrastá-la pelos cabelos conseguindo desta forma que ela lhes desse aquilo que não haviam conseguido descobrir."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.