Premium Acabar com os cartoons é ter o New York Times "a fazer o jogo" de Trump

António e André Carrilho não duvidam de que é uma forma de censura a decisão do diário norte-americano de acabar com os cartoons nas suas edições. É o vírus Trump na democracia, concordam os caricaturistas portugueses.

O "vírus Trump está a tornar a democracia cada vez mais próxima da ditadura". É a reação de António, o caricaturista português que viu um seu desenho ser retirado das páginas do The New York Times (NYT) por, na opinião da direção do jornal americano, ser antissemita e ofensivo, após o diário ter anunciado que iria deixar de publicar cartoons editoriais. André Carrilho, outro dos grandes cartoonistas portugueses, que publica nas páginas do DN, diz que "é um decisão lamentável" e critica o jornal por "capitular perante as redes sociais" e acabar "a fazer o jogo de quem o critica", referindo-se a Donald Trump.

"É uma má notícia para a liberdade de expressão e é preocupante que democracias comecem a conviver mal com o cartoon", reage António, em declarações ao DN, admitindo que a decisão do jornal norte-americano o "surpreende claramente". Na sua página de Facebook, o cartoonista português partilhou já uma mensagem apresentada pelo desenhador francês Marc Large. Sob um fundo negro, surge a frase "Je Ne Suis Pas New York Times", recuperando a ideia do "Je Suis Charlie Hebdo", em modo inverso. "Acho que está bem conseguido, por isso partilhei."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...