Premium Manuela Ferreira Leite tem razão

O caminho que Rio escolheu, de recentrar o partido e recuperar o seu património histórico, é o único que pode assegurar o regresso ao poder (provavelmente não nas próximas eleições) e a um ressuscitar autárquico. Se é que depois desta loucura de se querer destituir um líder a cinco meses de umas eleições e a nove de outras ainda haverá PSD.

Manuela Ferreira Leite disse, na TSF, que o PSD não é de direita e que preferia que o seu partido tivesse menos votos a enveredar por esse caminho. Luís Montenegro fez-se de muito zangado e acusou a ex-líder social-democrata de querer um partido pequenino.

Aproveitar um comentário de alguém que não tem qualquer cargo no PSD como derradeira razão para tentar substituir um líder que foi eleito há apenas um ano é, digamos assim, estranho. Mas, claro está, Montenegro apenas utilizou as palavras da antiga ministra das Finanças como pretexto para avançar com uma espécie de desafio que ele deseja que venha a ser uma candidatura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.