Premium Como Lage mudou o Benfica. Treinos intensos, novo sistema, a comunicação e os miúdos

O 10-0 ao Nacional foi mais uma prova de que este Benfica está a crescer comparativamente ao dos tempos de Rui Vitória. Desde que Lage assumiu o comando da equipa, já recuperou seis pontos em relação ao líder FC Porto.

Bruno Lage, de 42 anos, começou por ser anunciado como treinador interino, logo após a saída de Rui Vitória, mas rapidamente fez que toda a estrutura da SAD do Benfica se rendesse aos seus métodos e à sua forma de estar e de se relacionar. Bastaram dois jogos para Luís Filipe Vieira ver confirmadas as suas suspeitas (o presidente sempre acreditou no treinador que passou por vários escalões da formação do clube) e promovê-lo a treinador principal. Até quando não se sabe, mas, pela amostra, o técnico natural de Setúbal, cujas grandes referências foram Jaime Graça e Carlos Carvalhal, pode muito bem continuar após o final da época.

Há um antes e um depois de Bruno Lage. Nos nove jogos no comando da equipa, o Benfica venceu oito e saiu derrotado numa única ocasião, precisamente diante do FC Porto, na Taça da Liga. Venceu duas vezes o Sporting (para o campeonato por 4-2, e em Alvalade, para a Taça por 2-1 na Luz), goleou o Boavista (5-1) e no último fim de semana a equipa alcançou um resultado histórico: 10-0 ao Nacional com uma exibição de sonho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.