Premium Bem-vindos ao bairro onde Amália é vizinha do hip hop

Stereossauro acaba de lançar Bairro da Ponte, um álbum onde o fado encontra a eletrónica e o hip hop e no qual se juntam DJ Ride, Ana Moura, Camané, Carlos do Carmo, Slow J ou Capicua.

Stereossauro, nome de Tiago Norte como DJ e produtor musical, lembra-se bem daquela primeira vez em que tocou Verdes Anos, de Carlos Paredes, ao vivo. Foi há cerca de oito anos, depois de um dia ter estado a conduzir com essa música em loop na cabeça e, ao chegar a casa, a ter produzido.

"Eram quatro da manhã numa rave. A seguir vinha um DJ techno e aquela era a última música que eu ia tocar. Assumidamente, eu estava: 'Vou pôr isto e vai matar a pista. Ninguém vai gostar mas whatever, é a minha última música.' Foi um grande momento. Não estava nada à espera. Com o passar dos anos a versão foi ficando mais popular e, hoje em dia, o público canta a melodia que eu estou a fazer. Muitas vezes o [DJ] Ride [com quem há muito forma a dupla de scratch Beatbombers] está ao meu lado, baixa o volume, e ouve-se o público a cantar. Nem tem letra e eles cantam", diz ao DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.