Aconteceu em 1949 - A força pública não ameaça, avisa apenas

DN de 12 de fevereiro de 1949 dedicava a primeira página a várias notícias sobre as eleições presidenciais, com destaque para a desistência do candidato da oposição.

O marechal Óscar Fragoso Carmona contra o general José Norton de Matos. Figura-chave do golpe militar de 1926, o Presidente Carmona via-se desafiado em 1949 nas urnas por um outro militar, candidato da oposição. Oliveira Salazar, chefe do governo e verdadeiro homem forte do Estado Novo, aceitava alguma cosmética democrática para agradar aos vencedores da Segunda Guerra Mundial, mas na verdade o regime não tolerava quaisquer hipóteses de competição eleitoral a sério. Apesar de ter feito campanha, Norton de Matos acaba por desistir das presidenciais, certo de que por todos os meios, incluindo fraude, Carmona seria reeleito.

Um comunicado do Ministério da Guerra publicado no DN falava de rumores sobre eventuais alterações da ordem em localidades alentejanas no dia da votação e da determinação das autoridades em reprimir o que fosse necessário. E no final escrevia: "Não significa isto uma ameaça. Como por várias vezes já tem sido publicamente anunciado, a força pública não ameaça, avisa apenas."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.