Premium Uma certa ideia do passado

Quase todos guardamos algumas ideias românticas sobre os lugares que habitámos, bairros, aldeias, cidades ou países. Recordamo-nos de amigos que deixámos de ver, namorados ou namoradas, noites de excesso, disparates vários, epifanias e alguns segredos guardados. Lembramo-nos de sermos nós sendo outros, mais ingénuos talvez, temerários, sem os medos, as feridas e as cautelas que entretanto acumulámos. As nossas vidas são palimpsestos, histórias que se raspam do pergaminho para que outras se possam ir escrevendo.

Sempre que regresso à Figueira da Foz da minha infância e juventude dou por mim à procura do passado num presente cada vez mais estranho - lojas que abrem e fecham, ruas que mudaram de sentido, árvores abatidas, praias que o mar levou. Os rostos também se vão alterando, ganhando rugas e perdendo cabelo, as maquilhagens confundindo as feições, os óculos disfarçando os olhares. Só as vozes e os sorrisos me apaziguam a memória, a geografia mudou, mas mantêm-se os caminhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.