Aconteceu em 1931 - Situação grave em Cuba e as lições turísticas da Suécia

A primeira página deste dia, há quase 90 anos repartia os temas de destaque entre a seriedade da situação política cubana, o turismo na Suécia e a guerra ao analfabetismo

Era por Portugal que se abria esta edição de 12 de agosto de 1931. "Há alguns anos, as estradas estavam intransitáveis. Toda a gente dizia que jamais seria possível utilizá-las (...) o governo olhou porém o problema gravíssimo dos transportes e resolveu", escrevia o DN. E depois de elaborar com mais exemplos a teoria servia para concluir que os portugueses tinham "capacidade para resolver rápida e eficazmente os seus grandes problemas desde que tomem a peito solucioná-los". entre esses, destacava-se o analfabetismo: "Um país europeu com seis milhões de habitantes não pode continuar algemado à percentagem de analfabetos que registam as suas estatísticas (...) Um homem que não sabe ler está fora da sua época", concluía-se.

Maior destaque era, porém, dado aos temas internacionais mais relevantes, incluindo os acontecimentos em Cuba. "A situação é muito grave, mas o governo conta dominá-la", reproduzia o DN, citando o Times de NovaYorque para informar que os chefes rebeldes se haviam entregado na prisão de Havana, sendo a insurreição dirigida pessoalmente pelo antigo presidente Menocaí - que avançara contra o general Geraldo Machado. Noticiava este jornal que o movimento revolucionário falhara.

Ao lado, um tema de verão, com direito a fotografia: o turismo na Suécia como "lição a aproveitar". Dos "hotéis flutuantes às viagens pela Lapónia, passando pelo sol da meia-noite, um atraso do comboio, um baile e um chapéu perdido", a crónica assinada por Guerra Maio dava conta de um verdadeiro paraíso com o qual Portugal tinha muito a aprender.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.