O maquinista que podia escrever histórias sobre os passageiros

Transportam centenas e centenas de passageiros e aprendem a conhecer quem não os conhece a eles. José Coelho, maquinista do metro de Lisboa, reconhece que é uma forma de combater a solidão do seu trabalho

José Coelho senta-se aos comandos da sua máquina, o primeiro metro que partirá de Telheiras para o Cais do Sodré. Faz o protocolo de segurança, a inspeção ao comboio, abre e fecha as portas, vê as câmaras, verifica se tudo está ok tanto da parte mecânica como eletrónica e liga à central para confirmar que os rádios estão ativos. Depois segue do término para a estação de Telheiras. Passados 15 minutos, abrem-se os portões da estação e entram os primeiros passageiros do dia: 6:33 e aí vai o metro. Próxima estação, Campo Grande.

A trabalhar há 26 anos no Metropolitano de Lisboa - primeiro foi fator, uma função que já não existe, e que abria e fechava as portas ao lado do maquinista - nunca pensou escrever um livro sobre as personagens que vê quando a composição entra nas estações, mas a verdade é que acaba por congeminar histórias sobre elas. Às primeiras horas da manhã são quase sempre as mesmas pessoas e José Coelho já as conhece, sabe de cor onde entram e onde saem.

O maquinista transporta centenas e centenas de pessoas, sem falar com nenhuma delas, confinado a um espaço exíguo

"Há duas mulheres que estão sempre juntas no Areeiro, não sei se são irmãs... Uma delas estava grávida e agora não tem aparecido. Deve estar de licença de maternidade", diz, naquele que é só um exemplo de que a sua cabeça se ocupa a fazer tramas para as personagens que conhece, mas não o conhecem a ele, para "lutar contra a solidão e a monotonia" que é o seu trabalho. Afinal, o maquinista transporta centenas e centenas de pessoas, sem falar com nenhuma delas, confinado a um espaço exíguo.

Regras de segurança

E porque estão sozinhos aos comandos da composição, há preceitos de segurança para que o comando central saiba que está tudo bem. Uma delas é estarem sempre a pressionar um comando, com a mão ou com o pé, o chamado sistema homem morto. "Se deixarmos de carregar, em poucos segundos o comboio faz uma travagem de urgência." Outro é o facto de o botão para a abertura e fecho de portas que está no painel não estar ativado. O maquinista tem que levantar o braço, por cima da cabeça, para dar essa ordem ao mecanismo.

Uma das regras de segurança é estarem sempre a pressionar um comando, com a mão ou com o pé, o chamado sistema homem morto

Um movimento suspeito, uma desacato dentro de uma carruagem e a central é imediatamente alertada entrando logo a polícia em ação.

Jorge Coelho poderia escrever histórias inspiradas, mas há outras bem reais com que os maquinistas se deparam, como os casos de quem salta para a linha. Ele tem uma para contar e o final só não foi dramático porque ao entrar com o comboio na estação do Martim Moniz percebeu o que ia acontecer: "O homem sentou-se no chão para saltar para a via. Travei de emergência."

Em seis horas de turno, José Coelho faz mais de 30 viagens. Cada vez que chega ao término da linha observa todas as carruagens, para ver se não ficou nenhum passageiro. E depois sai e volta à outra extremidade do comboio, porque irá andar em sentido oposto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.