O começo de um partido

O começo de um livro é precioso, escreveu Maria Gabriela Llansol, num livro que há muito escolhi guardar em mim. Comprei-o num dia inicial, que eu queria limpo como no "Recado" de Al Berto; em que me apetecia transformar esse início num objeto, como se fosse possível encapsular a expectativa em algo físico, apropriável. Tenho-o comigo desde então, porque me tem valido de muito, até de inspiração, até de discurso - que o citei num congresso do CDS há uns anos -, mas sobretudo de advertência, instrução.

Há no começo uma sensação, um arrepio; não é um termo neutro, é uma palavra fulgurante, física, hormonal, porque dela dá conta o corpo: não duvido de que haja gente viciada em começos, que precise deles como quem precisa de uma droga, de um calmante, e não há vício que desaconselhe uma advertência.

Haverá com certeza melhor definição de começo do que expectativa, mas é assim que me ocorrem os começos, as possibilidades de qualquer coisa, folhas em branco, um regresso à casa da partida sem passar pela prisão, como no monopólio: um bónus, um prémio - uma sorte, a de deixar para trás o que não interessa, os erros, as falhas. Essa expectativa, que em mim se confunde com a noção de começo, não existe sem o passado que ansiamos superar, melhorar.

O começo de um partido deve ser assim, imagino, a possibilidade de tudo o que desejamos, sem vícios, sem mácula, sem os erros que vemos nos outros, que cometemos nos outros, quase como se nós próprios fôssemos outros. Como se os erros e os vícios e a mácula não tivessem vindo também de nós; como se, renascidos, tivéssemos a capacidade, o poder de juntar apenas as virtudes.

E não deve ser complicado reunir quem queira começar connosco, pela expectativa, pela vertigem, mas sobretudo porque há tanta gente a fugir do mesmo, a criticar o mesmo, a desviar-se do mesmo - e esse mesmo, de que eu faço parte, tem do que se fugir, eu sei.

Mas é breve o começo de um livro, escreve a Maria Gabriela. Há nesta advertência a confirmação de um continuum, de um entrelaçamento, de que não há apenas um ponto de partida, de que a seguir ao começo vem um caminho. E esse caminho não vive do passado, exige compromissos de percurso.

Ora, o percurso é feito da confrontação com o real, terreno dilemático, já não de ilusão e pureza, onde começam as divergências - ruidosas quando as expectativas iniciais se mostram distintas no concreto, senão mesmo divergentes: "Não foi para isto que, afinal estes são iguais aos, nós tínhamos acordado que..." Não é que as divergências se ausentem dos partidos antigos, mas há na história, nos desafios vividos, suporte bastante para as acomodar, gerir, para oferecer uma aprendizagem do real, não necessariamente cínica.

E há depois a urgência do começo, a vontade de espalhar, de chegar longe, que apressa a escolha da companhia e de quem financie, terreno propício a equívocos, desilusões, dissensões: "Com ele não, se ele fica eu saio, era suposto que fôssemos diferentes..." Não é que, outra vez, os partidos antigos sejam aqui exemplares, mas são poucos os que se apresentam já com a arrogância da novidade ou com a ânsia da pureza bacteriológica.

Por mais injusto ou frustrante que possa parecer, o começo de um partido será apenas um suspiro, um fulgor, se dele não resultar algo mais do que um começo, se dele não vier uma coerência, uma raríssima amizade entre o seu percurso, as suas novas palavras, e o mal-estar dos que se sentem abandonados. É essa amizade que garante a longevidade de um percurso e justifica o empreendimento; mas não consta que, sendo oportuna, desejável, e para a qual haverá sempre espaço, ela se encontre com a facilidade com que se organiza uma reunião de cansaço, de lamento, de expectativas.

Advogado e vice-presidente do CDS

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.