Premium Contra a fome e o frio na Europa

O DN de 11 de setembro de 1947 dava conta da preocupação dos Estados Unidos em ajudar uma Europa Ocidental que tardava a recuperar da Segunda Guerra Mundial, terminada dois anos antes.

A situação era tão grave que o departamento de Estado americano dizia estudar "urgentemente uma forma de auxílio de emergência para enfrentar a ameaça imediata da fome e do frio na Europa". Citando em Washington o secretário de Estado George Marshall, figura destacada da Administração presidida por Harry Truman, o DN dava conta das medidas prestes a adotar pelos Estados Unidos para apoiarem a recuperação económica dos aliados europeus, como a Grã-Bretanha e a França, mas também da Alemanha Ocidental, que depois da derrota nazi tinha entrado na esfera de influência americana.

O plano de ajuda, que ficou conhecido como Plano Marshall, começou por apoio financeiro que permitiu aos europeus comprar de início sementes, fertilizantes e rações e numa segunda fase maquinaria. Não só a economia europeia beneficiou, como também a americana, que servia de fornecedora. Por ordem de Estaline, a União Soviética e os países do novo bloco comunista recusaram a iniciativa americana. Portugal recebeu algum apoio, mas menos de metade, por exemplo, da Grécia.

Ler mais

Exclusivos