Premium Contra a fome e o frio na Europa

O DN de 11 de setembro de 1947 dava conta da preocupação dos Estados Unidos em ajudar uma Europa Ocidental que tardava a recuperar da Segunda Guerra Mundial, terminada dois anos antes.

A situação era tão grave que o departamento de Estado americano dizia estudar "urgentemente uma forma de auxílio de emergência para enfrentar a ameaça imediata da fome e do frio na Europa". Citando em Washington o secretário de Estado George Marshall, figura destacada da Administração presidida por Harry Truman, o DN dava conta das medidas prestes a adotar pelos Estados Unidos para apoiarem a recuperação económica dos aliados europeus, como a Grã-Bretanha e a França, mas também da Alemanha Ocidental, que depois da derrota nazi tinha entrado na esfera de influência americana.

O plano de ajuda, que ficou conhecido como Plano Marshall, começou por apoio financeiro que permitiu aos europeus comprar de início sementes, fertilizantes e rações e numa segunda fase maquinaria. Não só a economia europeia beneficiou, como também a americana, que servia de fornecedora. Por ordem de Estaline, a União Soviética e os países do novo bloco comunista recusaram a iniciativa americana. Portugal recebeu algum apoio, mas menos de metade, por exemplo, da Grécia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".