Premium Uma emocionante volta a Portugal a cavalo

Uma volta a Portugal com a primeira etapa a partir de Lisboa e a chegar a Setúbal, a cavalo, "orgulhosamente" organizada pelo Diário de Notícias, fazia grande destaque desta edição.

"O circuito hípico de Portugal, um dos maiores raids até hoje realizados em todo o mundo e no qual os cavaleiros portugueses vão demonstrar as suas grandes qualidades e valor, foi ontem iniciado com o maior brilhantismo e entusiasmo", escrevia neste dia o DN, dando conta de um evento por si organizado.

Um empreendimento que deixava o DN orgulhoso, "em que os nossos cavaleiros, já categorizados como os melhores do mundo, vão afirmar mas uma vez as suas excecionais qualidades, realizando um percurso difícil de 2 mil quilómetros através das mais diversas regiões, desde as planícies alentejanas às pitorescas e bravias serranias de Trás os Montes, do Minho surpreendente o Algarve agreste e portentoso".

A corrida seguiria durante 18 dias, debaixo de chuva como de sol, com todas as aventuras relatadas pelo jornal que apoiava o grande acontecimento, que foi ganhando o entusiasmo do povo pela rivalidade que se criou entre o capitão Rogério Tavares e o civil José Tanganho. O militar chegaria primeiro ao Jockey Club, mas trocara de cavalo no percurso, pelo que foi o civil reconhecido como vencedor, para enorme gáudio dos que assistiam à disputa.

Em delírio, o povo invadiu a pista do Jockey Club e carregou Tanganho em ombros até à Câmara, onde viria a receber o seu troféu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".