O efeito Danuza

Além dos eleitores que apoiam, sem vergonha, um candidato que passou a vida em flirt permanente com a ditadura, a tortura e a degradação das minorias, boa parte dos brasileiros que escolhem votar em Jair Bolsonaro, do PSL, fazem-no apenas para evitar o regresso do PT ao poder.

Por culpa da corrupção que os governos de Lula da Silva praticaram; por culpa das relações podres no Congresso Nacional que permitiu; por culpa do aumento do peso do Estado que encorajou; por culpa da crise económica que decorreu do primeiro mandato de Dilma Rousseff; ou por culpa do apoio do PT a uma agenda mais liberal nos costumes.

Culpas ou desculpas.

Senão vejamos: se é a corrupção que move esses eleitores anti-PT, porque foram para as ruas de camisas amarelas defender uma solução que levaria Michel Temer ao Planalto? Temer e a sua gangue do MDB, Eliseu Padilha (chamam-lhe Eliseu Quadrilha), Moreira Franco, Romero Jucá ou Geddel Vieira Lima, são os representantes do que de mais sórdido o Brasil político produziu.

E o PSL, de Bolsonaro, foi o partido mais fiel nas votações parlamentares à agenda do governo Temer ao longo de 2018, mais ainda do que o próprio MDB.

Senão vejamos: se é a degradação do Parlamento que os move contra o PT, como se permitem votar agora no candidato preferido dos lóbis mais poderosos do Congresso Nacional, o do Boi, criado para desmatar a Amazónia, o da Bala, interessado no estímulo à indústria das armas de fogo, o da Bíblia, cujos membros acreditam que a homossexualidade é doença e tem cura? Mais nociva do que essas bancadas, só a dos Parentes, com castas a eternizar-se no poder público.

E Bolsonaro já levou dois dos seus filhos para o Congresso e tem mais um na Câmara do Rio de Janeiro.

Senão vejamos: se é o peso do Estado que os move contra o PT, como podem apoiar um candidato cuja atividade económica se limita a receber uma pensão do Estado, via Exército, e um salário do Estado, via trabalho como parlamentar (nem tanto trabalho assim porque aprovou um projeto em 27 anos)?

E alguém que, a propósito, defende o modelo económico mais estatizante da história brasileira, o da ditadura militar.

Senão vejamos: se é a crise económica que os move contra o PT, porque omitem os dados, compilados pela insuspeita BBC Brasil, dando conta de que a economia brasileira, apesar da era Dilma, passou de 13.ª do mundo em 2002 a 9.ª em 2016, que o crescimento médio nesse período foi de 2,9% contra 2,5% no consulado de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), de centro-direita, e que de 2006 a 2016 a taxa de desemprego andou sempre abaixo dos dois dígitos.

E tudo com relevantes avanços, registados pela ONU, na erradicação da fome e na subida nos índices de desenvolvimento humano e de combate à desigualdade, as maiores chagas do país.

Senão vejamos: se é o avanço nas pautas progressistas nos anos PT e o risco ao conceito de família tradicional que os move, como votam em alguém cujo apoiante mais estridente é o ator pornográfico Alexandre Frota, eleito deputado federal pelo PSL?

E apresentado pelo próprio Bolsonaro como eventual ministro da Cultura, se houver esse ministério, no seu governo.

O que mais move o voto antipetista não são, portanto, apenas os argumentos usados em público. É também um preconceito de classe, consciente ou inconsciente, de um país que nasceu, cresceu e quer morrer dividido entre ricos e pobres num cordial apartheid, a que podemos chamar de efeito Danuza.

Danuza Leão, ex-modelo, jornalista e socialite brasileira, definiu muito do que move o antipetista em 2011, numa coluna no jornal Folha de S. Paulo. Disse ela que "ir a Nova Iorque ver os musicais da Broadway já teve a sua graça, mas, por 50 reais mensais, o porteiro do prédio também pode ir, então qual a graça? Enfrentar 12 horas de avião para chegar a Paris, entrar nas perfumarias que dão 40% de desconto, com vendedoras falando português e onde você só encontra brasileiros - não é melhor ficar por aqui mesmo?".

Não é tanto o muito que o PT fez de errado que move a maioria dos antipetistas. Move-os mais, afinal, o que o PT fez de certo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.