Premium O SNS a garantir o que é feito no privado? "No mínimo estamos a falar de cinco anos"

O Parlamento vota nesta terça-feira um dos temas mais polémicos da proposta para a nova Lei de Bases da Saúde: a relação que deve (ou não) ter o Estado com os setores privado e social. Alexandre Lourenço, presidente da Associação dos Administradores Hospitalares, diz que serão precisos cinco anos para o SNS garantir cuidados que privados prestam.

Para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) conseguir absorver o recurso aos setores privado e social teria de garantir os exames feitos em laboratórios privados, reduzir os tempos de espera de consultas, de cirurgias, acabar com o modelo das unidades hospitalares geridas por parcerias público-privadas (PPP) e investir em profissionais e equipamentos. "No mínimo estamos a falar de cinco anos", aponta o presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, Alexandre Lourenço.

O tema vai a votos nesta terça-feira no Parlamento no âmbito da discussão sobre a nova Lei de Bases da Saúde. Dois dias depois de o maior parceiro da geringonça, o Bloco de Esquerda, vir defender que está disponível para voltar a discutir esta lei de bases, mas sem as PPP, já que esta matéria deve ter legislação própria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.