Premium Renova-se a Tríplice Aliança e abre o elevador do Carmo

11 de julho de 1902 foi um dia importante, com importantes notícias de dentro e lá de fora na edição diário do DN. Enquanto Alemanha, Áustria e Itália renovavam o acordo comercial, em Lisboa inaugurava-se um marco da cidade.

"Renova-se mais uma vez o pacto de aliança entre a Alemanha, a Áustria e a Itália. A tríplice, por conseguinte, persiste e o Dr. Bülow prossegue na política do chanceler de ferro." Referia-se o Diário de Notícias quando assim escrevia, neste dia de 1902, a Bernhard von Bülow, nobre e político alemão que ocupou o cargo de chanceler daquele império entre outubro de 1900 e julho de 1909. O governante renovava assim o acordo com o Império Austro-Húngaro e o Reino de Itália, que formava um grande bloco de países aliados no centro da Europa e isolava França - exceto no caso específico de um ataque vindo do Reino Unido.

Enquanto lá fora se anunciava esse acordo que vinha de 1882, por cá era outro o acontecimento que prendia as atenções dos lisboetas. "Foi dia festivo para os moradores das imediações da Rua de Santa Justa e para os curiosos, que os há sempre em barda, e que em França são conhecidos por badauds."

O Elevador de Santa Justa ao Carmo fazia então grande sensação na cidade, com o jornalista a relatar a grande afluência de pessoas para ver tal obra e todo o dia fazendo cansar o ascensor. "Desde aquela hora estiveram as elegantes e espaçosas cabinas em constante movimento para conduzirem os convidados à plataforma que põe a torre em comunicação com o Largo do Carmo e dentro em pouco muitas pessoas passeavam sobre a ponte que atravessa a Rua do Carmo e donde se desfruta o magnífico panorama da cidade", descrevia-se neste jornal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.