48 concelhos deverão ficar sem estação dos CTT

Neste ano, 15 concelhos deverão perder estação de Correios, diz a Anacom. Regulador quer que os postos que substituam as estações cumpram os mesmos requisitos de serviço.

Pedrógão Grande, Gavião, Mondim de Basto ou Fornos de Algodres e, mais a sul, Óbidos, Aljustrel ou Arraiolos são alguns dos 33 concelhos que ficaram sem estação dos CTT em 2018. Nste ano é "expectável" que "no curto prazo" esse número suba para 48, deixando mais de 411 mil habitantes sem acesso a uma estação dos Correios, diz a Anacom. O operador postal já reagiu: garante estar em todos os concelhos do país e a cumprir com o contrato de concessão, que termina em 2020.

Até novembro do ano passado, como adiantou, em entrevista ao Dinheiro Vivo/TSF, Francisco Lacerda, o CEO, os CTT encerraram 53 lojas no âmbito do plano de reestruturação. E com isso mais de três dezenas de concelhos ficaram sem uma estação de Correios. Uma "situação nova em termos do serviço universal postal" e a razão "pela qual observamos uma situação de degradação na forma como o serviço postal está disponível para as populações", considera João Cadete Matos, presidente da Anacom.

Os encerramentos deverão continuar neste ano, levando a que 15,6% dos concelhos fiquem sem uma estação dos CTT, situação que afeta mais de 411 mil habitantes, sobretudo do interior do país, diz a Anacom. O regulador não revelou quais os 15 concelhos que vão ficar sem estação de Correios, com base na informação prestada em novembro pelos CTT, mas adianta que os mesmos são sobretudo do interior.

Na maioria dos casos, o operador postal substituiu as lojas próprias por postos de correio, passando os serviços postais a serem prestados por entidades externas, sobretudo juntas de freguesia. Por isso, os CTT não só garantem que "estão presentes em todos os concelhos do país", mantendo "pelo menos um Ponto CTT (loja ou posto de correio) em todos os concelhos", como esses pontos CTT prestam "todos os serviços previstos no contrato de concessão, incluindo a entrega de objetos avisados, e ainda o pagamento de vales de prestações sociais e de faturas, muitas vezes em horários alargados e com conveniência adicional para as populações". No final do ano passado, havia 2383 pontos CTT em todo o país, "um aumento de 66 desde a privatização em finais de 2013", realça o operador postal.

Em relação aos objetivos de densidade da rede postal, os CTT consideram mesmo que "cumprem todas as obrigações legais e contratuais a que estão vinculados".

Mas o regulador tece várias críticas aos postos de correio em que apenas 204, ou seja, 11% estão certificados. E se no litoral 16,2% dos postos são certificados, no interior esse valor cai para 5,3%. A Anacom quer ainda garantir que os postos de correio que venham a substituir as estações assegurem os mesmos requisitos de serviço, como a adoção de procedimentos de atendimento que minimizem os tempos de espera, que garantam a confidencialidade e a inviolabilidade dos envios postais e proteção de vida privada ou o cumprimento de horários. E deu 20 dias úteis aos CTT para apresentarem uma proposta que assegure essa uniformização dos serviços e que em cada concelho haja uma estação ou um posto de correio CTT.

A Anacom recomendou ainda que os CTT suspendam os encerramentos de estações. Mas, quando isso aconteça, haja um "prévio entendimento" com as entidades locais. Mais, em caso de encerramento, os CTT deverão informar a Anacom e os clientes com 20 dias de antecedência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.