Premium Ordem dos Médicos. "Desde que sou bastonário não há um investimento sério no SNS"

Miguel Guimarães está há dois anos à frente da Ordem dos Médicos, período durante o qual tem assistido a um aumento da insatisfação no SNS, que considera estar "mais ou menos paralisado". Destaca o contributo dos profissionais de saúde que tem permitido dar um "certo equilíbrio àquilo que é a capacidade de resposta do SNS".

Há dois anos, o urologista do Hospital de São João, no Porto, Miguel Guimarães, assumia o cargo de bastonário da Ordem dos Médicos. Mais precisamente a 8 de fevereiro. "Nestes dois anos acho que os profissionais de saúde deram um contributo muito importante para aquilo que foi a capacidade de resposta do SNS - Serviço Nacional de Saúde", destaca o médico no dia em que apresentou aos jornalistas o documento "Tempos padrão para as consultas médicas", que estipula o tempo médio para cada consulta da especialidade.

O bastonário realça que "o SNS está com graves deficiências", mas sublinha que "a evolução da medicina e o facto de os médicos hoje conseguirem fazer as coisas de forma mais rápida, eficaz, com melhores resultados e menos complicações tem permitido dar um certo equilíbrio àquilo que é a própria capacidade de resposta do SNS".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.