Premium Big Brother telefonou


No caminho para o totalitarismo digital, o dia 2 de Agosto de 2018 marca um passo importante. Nessa data, pela primeira vez, o Estado arrogou-se o direito de enviar mensagens telefónicas (sms) a todas as pessoas em determinadas zonas. Os objectivos eram muito louváveis (são sempre) e a generalidade da população até se divertiu com o procedimento, mas subiu imperceptivelmente o poder de controlo público sobre as nossas vidas.

A mensagem em causa era bastante inocente (começam sempre assim): "Risco extremo incêndio rural nos distritos Beja e Faro. Fique atento. Em caso de dúvida: 800 246 246. www.prociv.pt." Nos dias seguintes foi multiplicada, sendo recebida, nesta operação inicial, em mais de sete milhões de telemóveis, portugueses e estrangeiros (sempre em português), desde que situados nos distritos em alerta vermelho. Tratou-se de um grande sucesso operacional da Autoridade Nacional de Protecção Civil, juntamente com a Autoridade Nacional das Comunicações, os operadores de comunicações móveis e a Secretaria-Geral da Administração Interna, sob a supervisão do secretário de Estado da Proteção Civil.

Deve ainda dizer-se que a operação concretiza uma imposição legal, definida pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 157-A/2017 de 27 de Outubro. Na sequência dos horríveis desastres do ano passado, foi imposto nesse documento "Criar uma rede automática de avisos à população em dias de elevado risco de incêndio, com o objetivo da emissão de alertas para proibição do uso do fogo, bem como outras atividades de risco e ainda medidas de autoprotecção, dirigidas para públicos específicos". (II.2). Aliás, na boa prática de instituições paramilitares, o processo fora testado a 19 de Maio anterior, no contexto do exercício operacional Montemuro 2018, apenas nos distritos de Aveiro e Viseu.

Tem de se reconhecer que a iniciativa é espúria e inútil, nada adiantando para o combate real aos incêndios. Terá sido relevante apenas para alguém tão distraído que, não só não veja notícias mas nem repare nas temperaturas. Tratou-se de uma típica intervenção de burocrata, com grande aparato operacional sem qualquer contributo concreto. Revela actividade, não eficácia, mostrando aos cidadãos o poder e benevolência governamental, sem resultados práticos. Mas regista um grande sucesso dos serviços, mesmo se em diligências laterais e ociosas, que fica sempre bem nos relatórios anuais.

Pior, poderia ser realmente nociva. Bastava que reagisse menos de um milésimo das pessoas que receberam a mensagem, para entupir completamente os serviços de resposta da protecção civil. Serviu realmente apenas para manifestar que a nossa Autoridade está na ponta das tecnologias. Embora se deva dizer que, se querem fazer isso, deviam rever o inacreditável site www.prociv.pt, onde nada se consegue encontrar, além de demorar imenso tempo a carregar, pelo peso de fotos e scripts. Se alguém, em emergência, recorrer por este meio à protecção civil, bem pode desesperar.

Porque é que o Estado fez isto? Porque pode. Este é, sem dúvida, o elemento mais decisivo. As autoridades, finalmente, conseguem aquilo que sempre desejaram: chegar a toda a gente ao mesmo tempo. Basta premir um botão e os cidadãos ficam imediatamente à escuta. Nem as piores distopias, como Admirável Mundo Novo, de Huxley (1932), ou Mil Novecentos e Oitenta e Quatro, de Orwell (1949), tinham mais. Por enquanto foi apenas avisar dos fogos, mas é um primeiro passo. Em breve teremos o dinheiro dos nossos impostos usado para nos encher os telemóveis com todas as mensagens que as autoridades considerem úteis, relevantes, adequadas.

Não deve o Estado utilizar as novas tecnologias? Claro que deve. Aliás, Portugal é pioneiro nesse campo, sendo sucessivamente citado em estudos internacionais como um dos melhores do mundo em e-government. Vamos passar décadas a pagar as enormes dívidas que contraímos para financiar a extravagância de pretender ultrapassar os ricos neste processo. Mas a utilização das novas tecnologias deve ser dirigida pontualmente a cada cidadão, e só para servi-lo melhor. Sem nunca esquecer que estas técnicas vêm com grandes perigos anexos que, como sabemos, levantam especial alarme nas mãos de entidades poderosas. E nenhuma é mais poderosa do que o Estado.

Esta operação da Autoridade Nacional de Protecção Civil mostra um aspecto dessas tecnologias que ninguém pode utilizar senão o governo. Quem tem telemóvel recebe muitas mensagens não solicitadas, bastantes delas incómodas e até irritantes. A própria operadora abusa da sua posição descarregando publicidade sobre os utilizadores, mas muitas outras empresas se aproveitam do meio para mensagens comerciais. Todos estes casos, porém, são limitados, porque ninguém, a não ser o Estado, tem o invejável poder de enviar a mesma mensagem a toda a gente ao mesmo tempo. Foi isso que agora aconteceu, ultrapassando-se uma nova barreira cívica. Se aceitarmos, depois não nos admiraremos quando as autoridades usarem este meio em coisas mais indesejáveis.

Professor universitário

Escreve de acordo com a antiga ortografia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.