Preço das casas trava entrada na classe média

OCDE sugere políticas de habitação a preços acessíveis para aliviar o orçamento das famílias.

A despesa das famílias portuguesas com a casa foi das que mais aumentaram entre 1995 e 2015 entre os países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE). Em 20 anos, os gastos passaram de 18% do orçamento familiar para 21,2%. Esta evolução é explicada pelo aumento dos preços das casas que subiram mais do que o rendimento das famílias e do que a inflação.

Em média, nas últimas duas décadas, os preços das casas na OCDE subiram a um ritmo duas vezes mais rápido do que a inflação e 50% mais do que o rendimento mediano das famílias.

O relatório sob pressão: a classe média em declínio refere que, no caso português, o crescimento médio anual do rendimento mediano entre 2008 e 2015 foi de apenas 0,3%. Tomando apenas 2014 e 2015, o preço das casas em Portugal subiram em média 4,2% e 3,1%, respetivamente.

A OCDE explica que o peso das despesas com a casa é um dos impedimentos para que mais pessoas consigam atingir o patamar em que se considera classe média, uma vez que o conceito abarca, além do rendimento, também padrões de vida como, por exemplo, a compra de casa, o conforto, os cuidados de saúde ou a educação.

A organização sediada em Paris sugere, por exemplo, políticas de rendas controladas, lembrando que existem 15 países membros que o praticam, reconhecendo que ainda decorrem debates sobre os "méritos" desta solução. A Alemanha e a Holanda têm sido mais ativas na proteção dos inquilinos ao aumento das rendas. A OCDE sugere outras soluções para aliviar os orçamentos familiares, dando o exemplo das deduções fiscais em sede de IRS em Portugal, em concreto a possibilidade de abater 30% das despesas com educação ao rendimento.

Sobre-endividados

Cerca de um quarto das famílias da classe média em Portugal refere estar numa situação de sobre-endividamento, ou seja, o rácio dívida/rendimento é maior do que três. Portugal está em quinto lugar na OCDE, sendo que a prevalência de sobre-endividamento da classe média é superior ao resto da população em cerca de sete pontos percentuais.

Outro indicador considerado é a vulnerabilidade financeira, ou seja, quando as famílias têm dívidas em atraso, não conseguem aquecer devidamente a casa, ter uma semana de férias fora de casa ou fazer face a uma despesa inesperada. Em Portugal, mais de metade das famílias de classe média referem estar nesta situação.

Exclusivos