Premium Quem são os protagonistas do "Tea Party democrata"

Os rebeldes de esquerda ameaçam o establishment do Partido Democrata nas primárias para congressista ou para governador. Na quinta-feira pode escrever-se um novo capítulo em Nova Iorque, com a candidata Cynthia Nixon, a Miranda de O Sexo e a Cidade.

A Miranda de O Sexo e a Cidade foi a personagem que lhe deu mais fama, mas agora o palco é outro. Na quinta-feira Cynthia Nixon concorre com o atual governador do estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo, nas primárias do Partido Democrata. O vencedor irá defrontar em novembro o republicano Marc Molinaro.

Se é verdade que as sondagens dão uma folga a Cuomo de 30 pontos percentuais, Nixon é encorajada pelas recentes vitórias de candidatos mais à esquerda do partido, que desafiam o establishment e a lógica eleitoral do partido. "Continuam a subestimar os candidatos rebeldes, principalmente candidatos que se estreiam", comenta a atriz que fez o papel de Nancy Reagan no filme Killing Reagan, do National Geographic.

Cynthia Nixon, de 52 anos, acusa Cuomo, que concorre para um terceiro mandato, de não representar a diversidade do partido e de estar demasiado alinhado com os conservadores e os interesses das grandes empresas.

O Partido Democrata é palco de uma luta ideológica entre candidatos com um discurso mais sóbrio - ou que têm Donald Trump como tema central, caso de Cuomo - ou a de um novo perfil de candidatos, alinhados mais à esquerda e que exigem para hoje o sonho da mudança da primeira campanha presidencial de Barack Obama.

A atriz e os seus partidários dão o exemplo de três nomes: Alexandria Ocasio-Cortez, Andrew Gillum e Ayanna Pressley.
O trio faz parte de candidaturas bem-sucedidas da esquerda do partido e as sondagens davam vitórias aos candidatos que desafiavam. A latina Ocasio-Cortez (autointitulada socialista democrática) e a afro-americana Pressley derrotaram os atuais congressistas democratas de Nova Iorque e do Massachusetts. Já Gillum, um negro, venceu as primárias abertas na corrida democrata a governador da Florida.

Gillum junta-se a Stacey Abrams, na Geórgia, e Ben Jealous, no Maryland: três candidatos negros a governador em novembro num país em que só dois foram eleitos na sua história (Douglas Wilder, na Virgínia, em 1990, e Deval Patrick, no Massachusetts, em 2006).

"É óbvio que a era dos políticos centristas negros está em declínio. O tempo dos progressistas negros está em ascensão (...) a velha ortodoxia política que permitiu aos democratas centristas negros dominar a política dos negros está a ser destronada", escreveu Melanye Price no The New York Times .

A ascensão da esquerda progressista não é apenas o produto de uma maior consciencialização e ativismo político dos afro-americanos. Por exemplo, na vitória da vereadora de Boston Ayanna Pressley para congressista: se é verdade que cativou o voto negro e jovem (tradicionalmente abstencionista), contou igualmente com os votos dos democratas brancos, que constituíam 55% dos votos registados.

"A mudança não pode esperar"

"Claramente o distrito eleitoral queria uma grande mudança. Ayanna Pressley vai ser uma boa congressista e digo-vos que o Massachusetts vai ser bem servido", afirmou o candidato derrotado, Mike Capuano, eleito para a Câmara dos Representantes desde 1998.

"Não chega ver os democratas de volta ao poder. Importa quem são esses democratas", afirmou Pressley aos seus apoiantes. Na noite de terça-feira, durante o discurso de vitória, a vereadora perguntou: "Estão prontos para levar a mudança para Washington?", ao que a multidão respondeu em canto "A mudança não pode esperar".

Semelhanças com o Tea Party

Ao Politico , dois republicanos encontram semelhanças entre o momento vivido no Partido Democrata, com as vitórias da esquerda, e o movimento Tea Party que tomou de assalto o Partido Republicano em 2010. Sal Russo, que trabalhou na equipa de Ronald Reagan, diz que de início não encontrava parecenças, mas agora vê os progressistas "muito mais focados". "Agora há uma agenda: acabar com o corte dos impostos, levar o sistema de seguros de saúde Medicare para todos e proporcionar ensino superior gratuito."

Howard Kaloogian, outro fundador do Tea Party na Califórnia, afirmou que o atual clima político do Partido Democrata, tal como para os republicanos em 2010, reflete um "sentimento anti-establishment".

No entanto, os democratas rejeitam a comparação entre a esquerda democrata e o Tea Party.

"Isto é apenas as bases a aparecerem", disse também ao Politico Michael Blake, vice-presidente do Comité Nacional Democrata. "As pessoas estão genuinamente entusiasmadas com Ayanna, com Andrew e com Alexandria. O sentimento de raiva não chega."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.